Publicidade
Quinta-Feira, 15 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 20º C

'Ninguém faz limpeza melhor do que a mulher', diz relator da terceirização

O deputado federal Laércio Oliveira afirmou que a maioria dos trabalhadores no país do setor de asseio e conservação é do sexo feminino porque "ninguém faz limpeza melhor do que a mulher"

Folha de São Paulo
São Paulo
23/03/2017 às 17H46

GUSTAVO URIBE

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O relator do projeto aprovado na quarta-feira (22) que regulamenta a terceirização no país, deputado federal Laércio Oliveira (SD-SE), afirmou que a maioria dos trabalhadores no país do setor de asseio e conservação é do sexo feminino porque "ninguém faz limpeza melhor do que a mulher".

Laércio Oliveira, relator do processo - Divulgação/Facebook/ND
Laércio Oliveira, relator do processo - Divulgação/Facebook/ND



Em debate promovido nesta quinta-feira (23) pela CNI (Confederação Nacional da Indústria), o parlamentar lembrou que grande parte dos funcionários terceirizados trabalha na área de limpeza.

"Somente no setor básico, asseio e conservação, é unanimidade, se terceiriza em todo lugar. Somente nessa atividade tem mais de dois milhões de trabalhadores, 60% dessa mão de obra é feminina, porque faz limpeza. E ninguém faz limpeza melhor do que a mulher. À exceção de mim, que sou muito bom", disse.

Dos trabalhadores domésticos com carteira assinada, 92% são mulheres, segundo dados divulgados pelo Ministério do Trabalho e Previdência Social (MTPS) em 2016. O salário médio no setor era R$ 739 em 2015, de acordo com o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

O debate foi promovido pela entidade empresarial para tirar dúvidas de internautas sobre a proposta de 1998, que libera a terceirização para ser usada em qualquer ramo de atividade das empresas privadas e de parte do setor público.

Em outra resposta, a respeito da atividade de "home office", o parlamentar também se referiu às mulheres. Em tom de brincadeira, ele lembrou de um comentário que ouviu durante a semana, segundo o qual é necessário "entender a mulher" do trabalhador que exerce a atividade profissional em sua própria casa.

"Eu vi um comentário nesta semana que a gente tem de estar preocupado com o trabalhador que vai trabalhar dentro dessa modalidade de contratação, porque precisa entender a mulher dele. Como é a mulher dele? Ela vai ser uma pessoa agradável e trazer um cafezinho de vez em quando ou vai ficar reclamando com ele: 'Acaba esse negócio aí, venha pegar o menino e trocar a roupa dele?", disse.

Na sequência, ainda sobre o comentário que reproduziu, ele questionou se o trabalhador terá um "ambiente propício para exercer sua atividade" ou "ficará estressado cada vez mais a ponto de querer sair de casa".

Com a aprovação da proposta de terceirização, o texto vai à sanção do presidente Michel Temer, que é defensor da iniciativa.

A aprovação foi polêmica não só pelas críticas da oposição, para quem a medida representa um claro salvo-conduto para a precarização da mão de obra no país, mas também porque não houve o aval da maior parte dos atuais senadores.

Nesta quinta-feira (23), o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), afirmou que os senadores irão votar nos próximos dias um projeto mais recente sobre o tema.

Ele se refere a texto apresentado em 2015, já aprovado pela Câmara, e que traz mais salvaguardas aos trabalhadores do que o projeto que os deputados enviaram para a sanção presidencial.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade