Publicidade
Segunda-Feira, 12 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 21º C

MPSC debate projeto de lei que coloca em risco de extinção os animais silvestres

De acordo com o texto, do deputado Federal Valdir Colatto, a proposta é criar uma política de conservação da fauna, porém o projeto fomenta o tráfico de animais e incentiva a prática de maus-tratos

Redação ND
Florianópolis
22/06/2018 às 22H45

O Ministério Público de Santa Catarina e instituições ambientais discutiram durante uma mesa-redonda, na noite desta quinta-feira (21), o projeto de lei nº 6.268/16, que institui a Política Nacional da Fauna no Brasil e define princípios e diretrizes para a conservação da fauna silvestre no país, em tramitação na Câmara dos Deputados. Durante o encontro que aconteceu no auditório da Procuradoria-Geral de Justiça, em Florianópolis, foi apresentado um manifesto contra o projeto que foi assinado pelo público e autoridades participantes.

De acordo com o texto do projeto de lei, de autoria do deputado Federal catarinense Valdir Colatto, a proposta é criar uma política de conservação da fauna, porém o projeto fomenta o tráfico de animais, incentiva a prática de maus-tratos e coloca em risco de extinção os animais silvestres no Brasil. Logo na abertura da mesa-redonda, o Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos Jurídicos Aurino Alves de Souza destacou a importância do encontro e das discussões em torno das causas ambientais. "Não pode haver retrocesso de tamanha ordem. Esse encontro deve servir para que se defina as posições da sociedade catarinense e órgãos ambientais na defesa aos animais", disse.

Rogério Cunha de Paula, do Instituto Chico Mendes Bio São Paulo, falou sobre o impacto que esse projeto pode trazer a fauna brasileira e sobre alternativas que podem trazer mais rentabilidade para o Brasil. Ele apresentou casos de diversos lugares do mundo onde a caça esportiva foi substituída pelo turismo e preservação dos animais gerando mais renda e garantindo a integridade dos animais silvestres. "Regiões da África e Estados Unidos, onde as fontes de renda daquela população eram apenas a caça, foram trocadas, por exemplo, pelo turismo de Sáfari, um lado mais saudável e mais rentável. Agora se investe na proteção do animal e mantém as populações saudáveis".

Representando o Instituto Ambiental Ecosul, Halem Guerra Nery distribuiu um panfleto com uma história em quadrinhos que explica quem lucra com a caça no Brasil. Segundo ele, uma mesma campanha aconteceu no país em 1990 e de lá para cá, pouca coisa mudou. "Queremos mostrar que pouca coisa mudou em relação à caça de animais no Brasil, mas que as instituições de proteção e os todos os cidadãos são organismos de apoio e parceiros estratégicos para lutar juntos para salvar os animais", disse.

Hoje, os animais silvestres estão sob a tutela do Estado e, se o projeto for aprovado, os animais deixam de ser propriedade do Estado e passam a ser de 'ninguém' - Ibama/Divulgação/ND
Hoje, os animais silvestres estão sob a tutela do Estado e, se o projeto for aprovado, os animais deixam de ser propriedade do Estado e passam a ser de 'ninguém' - Ibama/Divulgação/ND


A Promotora de Justiça do MPSP (Ministério Público do Estado de São Paulo) Vânia Tuglio, uma das principais defensoras dos direitos dos animais do país e incentivadora destes debates, destacou que é preciso discutir e levar informações aos cidadãos. "Uma das maiores crueldades desse projeto de lei está no artigo 3º, que muda a natureza jurídica dos animais silvestres. Hoje, os animais silvestres estão sob a tutela do Estado e, se o projeto for aprovado, os animais deixam de ser propriedade do Estado e passam a ser de 'ninguém' e assim a legislação permitirá que eles sejam apreendidos e mortos a qualquer momento e por qualquer pessoa", destacou a Promotora de Justiça.

Ela apresentou ainda, os principais pontos da atual legislação e comparou com o que está sendo proposto no projeto e destacou que o manifesto civil apresentado logo no início da mesa-redonda será anexado junto com os demais documentos do relatório do projeto de lei na Câmara dos Deputados, em Brasília.

A mesa-redonda encerrou com a participação do relator do projeto na CMADS (Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara), deputado Federal Nilto Tatto. Ele falou sobre a importância do debate e do envolvimento da sociedade. "São esses debates que têm objetivo de esclarecer e fazer as pessoas se mobilizarem. Temos que ir além da internet. Conceitualmente esse projeto é um retrocesso em todos os sentidos. Os cidadãos precisam entender que este projeto flexibiliza a legislação de porte de arma para caçadores, e isso tem para a fauna e para todos, pois vai gerar aumento da violência no campo", reforçou.

Depois da apresentação da mesa-redonda, o público fez manifestações também contrárias ao projeto de lei. Coordenador do Centro de Apoio Operacional do Meio Ambiente e Presidente do GEDDA (Grupo Especial de Defesa dos Direitos dos Animais), o Promotor de Justiça Paulo Antonio Locatelli conduziu os trabalhos e encerrou afirmando que a discussão mostra o interesse da sociedade nas causas ambientais. "O projeto de lei não permite apenas a caça, mas também trará mudanças conceituais preocupantes e reflexos nocivos à fauna, precisamos refletir sobre isso".

A mesa-redonda

O evento faz parte de uma mobilização nacional de defesa e proteção da fauna encampada pelo GEDDA, coordenado pelo MPSC. A mobilização pretende mostrar à sociedade a importância de proteger os animais silvestres e de dizer "não" à caça aos animais. Os estados de São Paulo e Rio de Janeiro já promoveram discussões como essa e outras regiões do país ainda devem promover este tipo de mesa-redonda.

Publicidade

1 Comentário

Publicidade
Publicidade