Publicidade
Domingo, 18 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 21º C

Motorista do Audi que atropelou três pessoas em Jurerê não participa de reconstituição

Os dois jovens que sobreviveram ao atropelamento participaram da simulação

Colombo de Souza
Florianópolis
17/11/2017 às 22H53

A manhã de sexta-feira (17) foi de simulação do acidente que aconteceu na madrugada do dia 6 de agosto, na SC-402, em Jurerê, quando o motorista de um Audi A3 atropelou três jovens de 23 anos no acostamento da rodovia. Durante a reconstituição, o delegado Otávil César Lima, disse que não tem mais dúvidas que ocorreu um racha antes da colisão. “Um dos veículos  envolvidos ultrapassou o ônibus pela esquerda e o Audi pela direita. Tanto que o Audi colidiu na lateral do ônibus antes de atropelar os três jovens”, afirmou. O outro carro ainda não foi localizado.

O delegado comandou a reconstituição do acidente, nesta sexta-feira - Daniel Queiroz/ND
A reconstituição do acidente aconteceu na manhã de sexta-feira - Daniel Queiroz/ND


Os jovens Sérgio Teixeira da Luz Júnior, Rafael Machado da Cruz e Edson Mendonça de Oliveira, saíram de uma festa e estavam caminhando pelo acostamento do lado direito, no km 0,5 quando foram atingidos pelo veículo guiado por Sérgio Orlandini Sirotsky. Uma das vítimas, Sérgio Júnior, morreu cinco dias depois no hospital. Os outros tiveram ferimentos. 

>> Morre jovem que foi atropelado duas vezes na SC-402, em Florianópolis

>> Motorista que atropelou três em Florianópolis disse que “deu branco” enquanto dirigia

Nove pessoas, entre testemunhas, vítimas e o motorista do Audi, foram intimados para comparecer na reconstituição. Somente Sérgio Sirotsky não foi, entretanto, ele não era obrigado a participar deste momento. A simulação foi individual. Cada personagem contou sua história, o local onde estava e o que viu. Rafael e Édson se posicionaram no acostamento, caminhando em direção ao ponto de ônibus, exatamente como ocorreu naquela madrugada. Eles foram atropelados pelas costas e não lembram de nada.  “Só me recordo quando já estava em casa”, disse Rafael. Édson não quis dar entrevista à imprensa.

De acordo com a polícia, o Audi desenvolvia velocidade incompatível com a via, que é de 60km. A família de Sirotsky contratou um perito particular que calculou a velocidade do carro entre 55km/h a 72km/h. O laudo é contestado pelos advogados das vítimas.

O delegado pediu à Justiça o retorno do inquérito policial para continuar com mais diligências, entre elas a simulação dos fatos e interrogatórios de mais testemunhas. Conforme Lima, o inquérito está concluído, no qual Sirotsky será indiciado por homicídio doloso. O advogado dele, David Ghiorzi, apenas acompanhou a reconstituição e não se manifestou.

Pedido de indenizações
O advogado Wilson Knoner Campos, que representa a família de Sérgio Teixeira da Luz Júnior, vai impetrar pedido de indenização de R$ 3 milhões, além de uma pensão vitalícia para os pais da vítima. Franciele Tedesco, defensora de Rafael Machado da Cruz, está ajuizando um pedido de indenização de R$ 100 mil. De acordo com a advogada, Rafael ficou com sequelas. 

Publicidade

2 Comentários

Publicidade
Publicidade