Publicidade
Quinta-Feira, 15 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 20º C

Ministério Público reabre investigação sobre morte de Vladimir Herzog

Reabertura ocorre após Corte Interamericana de Direitos Humanos condenar o Brasil por não investigar e punir o crime

Folha de São Paulo
São Paulo (SP)
30/07/2018 às 17H13

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Ministério Público reabriu as investigações sobre a morte do jornalista Vladimir Herzog após a Corte Interamericana de Direitos Humanos condenar o Brasil, no começo do mês, por não investigar e punir o crime.

Membros do Ministério Público anunciaram o fato na tarde desta segunda-feira (30) em São Paulo. 

Uma investigação anterior do Ministério Público sobre Herzog havia sido arquivada em 2009, com base na Lei da Anistia.

Dom Paulo Evaristo Arns e o rabino Henry Sobel celebram missa ecumênica de um ano da morte do jornalista Vladimir Herzog, em 1976 - Folhapress
Dom Paulo Evaristo Arns e o rabino Henry Sobel celebram missa ecumênica de um ano da morte do jornalista Vladimir Herzog, em 1976 - Folhapress


Após duas condenações do Brasil pelo tribunal de direitos humanos -a primeira em 2010, pelo desaparecimento de 62 pessoas na Guerrilha no Araguaia, a segunda agora, referente a Herzog-, o MP passou a ter a posição de que esses casos deveriam ser levados pela Justiça.  

"Crimes cometidos por agentes do estado fizeram parte de um ataque sistemático contra a população. São crimes de lesa humanidade. Isso foi confirmado pela sentença da corte. Por isso, esses crimes não são suscetíveis à prescrição e à anistia", informou o MP.

O Ministério Público também propôs 36 ações penais em diversas regiões do país, referentes a diferentes casos de repressão. 

Em 25 de outubro de 1975, Herzog apareceu morto em uma cela do Doi-Codi, órgão da repressão do governo militar. A versão oficial dizia que o jornalista havia cometido suicídio, enforcando-se com um cinto de macarrão de presidiário. 

Várias evidências, porém, apontam que o jornalista foi torturado e morto por agentes militares. 

Publicidade

2 Comentários

Publicidade
Publicidade