Publicidade
Domingo, 18 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 21º C

Merísio quer nessa quinta-feira o nome dos 109 aposentados por invalidez que estariam irregulares

Presidente da Assembleia, Gelson Merísio, disse que não irá esperar até a semana que vem. Ele prometeu cortar benefícios

Marcelo Tolentino
Florianópolis
Daniel Queiroz/ND
Merísio quer relação de nomes irregulares para determinação o fim do pagamento das aposentadorias

 

O presidente da Assembleia Legislativa, Gelson Merísio (PSD), disse não vai esperar até a próxima semana para conhecer o nome dos 109 aposentados por invalidez da Casa que apresentaram indícios de irregularidades. O deputado entrou em rota de colisão com o presidente do Iprev (Instituto de Previdência de Santa Catarina), Adriano Zanotto, que prometeu os dados para os próximos dias, até o fim da próxima semana. “Amanhã (hoje) pela manhã já vai ter gente nossa no Iprev cobrando esses nomes”, garantiu Merísio, irritado.

A troca de farpas não cessou por aí. O presidente pretende fazer o corte preventivo dos benefícios assim que tomar conhecimento dos casos, medida questionada por Zanotto. Embora respeite a decisão de Gelson Merísio, o advogado avalia que a Assembleia não teria prerrogativa para fazer os cortes. A atitude, segundo Zanotto, teria de passar pelo Iprev, finalizado o procedimento administrativo de 60 dias e após oferecer o direito à ampla defesa, conforme a lei.

A crítica também tirou o presidente da Assembleia do sério. “Ele que cuide do Iprev que eu cuido da Assembleia. Já tenho idade e responsabilidade suficiente para tomar decisões. Ele tem é que me dar todos os dados”, disparou o parlamentar, que havia dado 24H para o Iprev enviar o relatório, a partir da última terça-feira. 

Adriano Zanotto argumenta que já teria cortado benefícios se tivesse provas concretas de fraude. “Mas infelizmente não achei elementos para isso. Vamos obedecer ao que diz a lei. Nós estamos acelerando o processo, enfrentando o problema”, destacou. Ele explica que a demora no envio se deve ao grande número de processos, são 207, incluindo os regulares. “Formamos uma força tarefa para agilizar o trabalho. Estamos fazendo cópias dos relatórios inteiros e mandando também os laudos. E ainda esperando o resultados de três perícias”, informou ele.

Irregularidades podem superar os 109 

O deputado Jailson Lima (PT) disse ontem, da tribuna, que o número de irregularidades nas aposentadorias por invalidez da Assembleia pode superar os 109.  O petista  apontou que os 78 casos considerados regulares (38%) representam ainda um índice muito acima da média nacional para o setor público – em torno de 20%. “É um índice muito elevado, que não se justifica. Na iniciativa privada esse número é de 8%. Como médico posso afirmar isso. Ainda tem coisa errada”, protestou.
De acordo com o deputado, as irregularidades constatadas pela perícia têm grandes possibilidades de serem comprovadas. Com isso, calcula Lima, o Estado já teria desembolsado, com as 109 aposentadorias, um valor estimado em R$ 380 milhões, ao longo de quase três décadas. “Com este dinheiro daria para realizar 300 mil cirurgias do mutirão de saúde que está acontecendo em Santa Catarina”, comparou ele, que também pediu ao Iprev o nome dos aposentados que apresentaram irregularidades, bem como dos médicos que teriam cometido crimes como falsidade ideológica. Divulgado segunda-feira pelo Iprev, o relatório apontou ainda 13 aposentados que estariam em plena capacidade laboral, isto é, poderiam estar trabalhando.

 

 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade