Publicidade
Quinta-Feira, 15 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 20º C

Meirelles decide renunciar à Fazenda para tentar candidatura à presidência

Caso não decole, Meirelles cogita aceitar ser vice na chapa de Temer; presidente reforçou sua disposição de concorrer em outubro para, segundo ele, defender o legado de seu governo

Folha de São Paulo
São Paulo (SP)
26/03/2018 às 11H15
Henrique Meirelles - World Economic Forum/Mattias Nutt/Fotos Públicas
Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, decidiu deixar o cargo no início de abril - World Economic Forum/Mattias Nutt/Fotos Públicas


SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, decidiu deixar o cargo no início de abril, filiar-se ao MDB e tentar viabilizar sua candidatura ao Palácio do Planalto.

Segundo a reportagem apurou, o ministro bateu o martelo na sexta-feira (23), em conversa com o presidente Michel Temer, e indicou os nomes dos secretários da pasta Mansueto Almeida (Acompanhamento Fiscal) e Eduardo Guardia (Secretaria-Executiva) para sucedê-lo. Guardia tem mais simpatia da equipe econômica e é o favorito para o cargo.

Meirelles vai migrar para o partido de Temer mesmo sem a garantia de que será o nome da sigla ao Planalto.

Na conversa com o presidente, de acordo com aliados, o ministro disse saber que não tem a preferência dentro do MDB para a candidatura, mas que quer tentar se viabilizar até a decisão final do inquilino do Palácio do Jaburu, em junho.

Caso não decole, Meirelles cogita aceitar ser vice na chapa de Temer. Na semana passada, quando rumores sobre essa possibilidade começaram a crescer no Planalto, o ministro não rechaçou, de início, a ideia. "Não fui convidado [para ser vice]. Trabalharei com fatos. Vamos ver", disse à Folha de S.Paulo na quarta (21).

Quem ecoa a tese de uma chapa puro sangue no MDB admite que hoje não há outro nome que queira compor com Temer e sua baixíssima popularidade -6%.

Em entrevista à revista "IstoÉ", neste fim de semana, o presidente reforçou sua disposição de concorrer em outubro para, segundo ele, defender o legado de seu governo. Afirmou que seria "uma covardia" não disputar à reeleição, já que precisa mostrar "o que tem sido feito".

Missão cumprida

Em conversas recentes com auxiliares, Meirelles disse que "cumpriu uma etapa" ao assumir a Fazenda durante a recessão de 2016 e que, mesmo reconhecendo que suas chances de ser eleito são pequenas -ele tem apenas 2% nas pesquisas-, acredita que deve assumir o risco.

Aos 72 anos, o ministro considera que pode ser sua última oportunidade de disputar uma eleição presidencial.

O anúncio oficial de sua renúncia deve ser feito no dia 2 de abril, antes de Meirelles viajar para dois eventos no exterior -em Portugal e nos EUA- na próxima semana. 

Ele deve ficar no cargo até 6 de abril, sexta-feira. No sábado (7), termina o prazo para que candidatos deixem seus postos no governo.

Nas últimas semanas, Meirelles se reuniu com Temer diversas vezes para conversar sobre o cenário eleitoral. Deixou claro que queria ser o candidato do MDB à Presidência, mas ouviu que não era possível garantir que ele ganharia o aval da sigla.

Ao contrário de Meirelles, que precisava deixar o cargo até 7 de abril se quisesse concorrer às eleições, o presidente tem tempo e aposta no aumento de sua popularidade até meados de junho para definir se vai entrar ou não na disputa.

Hoje, Temer tem 1% das intenções de voto, segundo o Datafolha.

Um dos principais auxiliares do presidente, o ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral) é o grande entusiasta de sua candidatura à reeleição e, em uma das conversas com Meirelles, disse que o MDB era "complexo", que ele era "bem-vindo" na sigla, mas que não seria possível prometer nada sobre a vaga de candidato agora.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade