Publicidade
Terça-Feira, 25 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 18º C

Médicos aprovam adesão ao Plano de Saúde dos servidores de Santa Catarina

Decisão foi tomada em assembleia dos médicos catarinenses. O SC Saúde já está em vigor desde 1 de fevereiro

Redação ND
Florianópolis
Alexandro Albornoz/ND
Assembleia dos Médicos, na Associação Catarinense de Medicina

 

 

Em assembleia geral realizada na noite desta segunda-feira (6) na Associação Catarinense de Medicina (ACM), em Florianópolis os médicos catarinenses decidiram por maioria que a adesão ao SC Saúde está liberada.

“Entendemos que esgotamos todas as possibilidades de negociação com a secretaria estadual de Administração e que a adoção da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM) vigente e plena até dezembro de 2014 é uma grande conquista dos médicos. Colocamos em votação a desobstrução para os médicos que entenderem que a proposta é vantajosa. Pensamos no todo, não na individualidade de cada médico. Aquele médico que entender que o plano não é favorável, que opte por não se credenciar”, afirma o presidente do Sindicato dos Médicos (Simesc), Cyro Soncini.

“Santa Catarina é o primeiro Estado do Brasil onde a CBHPM vigente é implantada. Tivemos o primeiro paradigma quebrado. A tabela plena é outro paradigma que vamos quebrar futuramente”, afirma Agnel Bastian Junior, presidente da ACM e coordenador do Conselho Superior das Entidades Médicas (Cosemesc).

Para o presidente do Conselho Regional de Medicina (Cremesc), Ricardo Polli, a remuneração justa significa trabalho médico com dignidade. “E também um trabalho com ética porque o médico que busca melhor remuneração está preocupado com o atendimento a seu paciente”.

Após quatro meses de intensas negociações, as entidades médicas entendem que conquistaram uma vitória para a categoria. “Negociar com o governo não é coisa fácil e o que conseguimos é emblemático. Com a adesão ao SC Saúde agora teremos condicões de lutar com os planos de saúde que nem nos chamam pra negociar”, encerra Cyro Soncini.

Os representantes nacionais Cid Carvalhaes, presidente da Federecão Nacional dos Médicos (FENAM), Roberto Luiz D’Avila, presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM) e Murilo Ronald Capela, vice- president sul da Associacão Médica Brasileira (AMB) e Luiz Augusto Borba, president do Sindicato dos Médicos da Região Sul (SIMERSUL) também participaram do evento.

A proposta

Governo comprometeu-se em pagar CBHPM vigente, no litoral, com redutor  de 18% o que resulta na consulta, por exemplo, o valor de R$ 52,68 e no interior do Estado com redutor de 3,25%, remunerando R$ 62,15% por consulta.

Grupo Unidas

Na mesma assembleia os médicos confirmaram que continuarão a suspensão de atendimento aos planos de saúde do grupo Unidas. Desde 10 de janeiros os médicos não atendem os mais de 20 planos administrados pela Unidas. A proposta agora, com a questão do SC Saúde resolvida é de reforçar a participação dos médicos em mais esta mobilização por melhor remuneração dos planos de saúde.

Transmissão on line

Pela primeira vez, o Cosemesc transmitiu uma assembleia pela internet em tempo real. Por meio dos sites das entidades, centenas de médicos puderam acompanhar o evento pelo computador. O objetivo foi proporcionar que os profissionais impossibilitados de comparecer ao local também recebessem informacões de forma imediata. Antes do fechamento da assembleia, mais de 4,7 mil page views haviam sido registrados com média de 100 médicos on line durante as mais de três horas que durou a assembleia.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade