Publicidade
Quinta-Feira, 20 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 23º C
  • 18º C

Maré alta e ressaca causam prejuízos na Grande Florianópolis

A previsão meteorológica indica mar agitado, ondas altas e possibilidade de ressaca até domingo

Redação ND
Florianópolis
28/10/2016 às 17H49

Como a previsão indicava desde quinta-feira (27), o mar agitado associado a maré astronômica provoca alagamentos em diversas regiões da Grande Florianópolis.  No começo da tarde desta sexta (28) os locais mais próximos do litoral registraram pontos de alagamento. Na Capital, o estacionamento do Centrosul e alguns trechos da SC-405, no Sul da Ilha,  ficaram tomados pela água, Motoristas estão com dificuldade de trafegar na região.

O Bar do Arante, no Pântano do Sul, teve uma parede destruída e parte do assoalho levantou por causa da ressaca. Cerca de 30 pessoas almoçavam no local quando as ondas mais fortes começaram a danificar a estrutura. Outros bares na região também tiveram os deques destruídos. Os pescadores da região também precisaram tirar seus barcos às pressas, parte foi colocada na rua principal do Pântano e outra parte foi levada para a Caieira da Barra do Sul. 

Nas prais do Morro das Pedras, Campeche, Pântano do Sul e Armação, a faixa de areia das praias foi totalmente engolida pelo mar. No Campeche o vento sul é tão forte que nove pessoas praticam kitesurfe na tarde desta sexta. 

Os ranchos de pescadores à margem da Via Expressa Sul, na Costeira também ficaram alagados. Os pescadores estavam tirando seus pertences para evitar prejuízos. Os ranchos são os mesmo que sofreram com um incêndio após a última maré alta no local. Na SC-403, a rodovia está com mais de cem metros de alagamentos, alguns carros estão enguiçaram. A ponte que leva ao aeroporto Hercílio Luz também está alagada. 

Em Coqueiros, a praça e o parque que ficam próximo ao restaurante Fedoca também ficaram cheios de água, assim como o estacionamento. 

A condição adversa de mar está associada à intensificação de áreas de baixa pressão formando um ciclone extratropical. As ondas altas podem ter picos de três a cinco metros, trazendo risco para atividades de navegação e pesca em todo o litoral. Essa condição associada à maré astronômica, amplificada pela lua nova, pode ocasionar alagamentos isolados especialmente nas áreas mais baixas da costa catarinense.

A Defesa Civil orienta que as embarcações e apetrechos de pesca e maricultura sejam protegidos  e pede atenção para edificações, infraestruturas e vias em áreas de vulneráveis à erosão e inundações costeiras.

Ressaca atingiu parte do Bar do Arante, no Pântano do Sul - Marco Santiago/ND
Ressaca atingiu parte do Bar do Arante, no Pântano do Sul - Marco Santiago/ND




      Publicidade

      0 Comentários

      Publicidade
      Publicidade