Publicidade
Quarta-Feira, 21 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 17º C

Mais cedo do que o comum, baleias-franca já marcam presença no Litoral de Santa Catarina

Mamíferos são monitorados por programa do Porto de Imbituba e costumam visitar a região Sul de julho a novembro

Redação ND
Florianópolis
20/06/2018 às 22H26

As baleias-franca estão chegando a Santa Catarina. Tradicionais visitantes da região Sul do Brasil de julho a novembro, a espécie tem sido avistada no Litoral catarinense desde o dia 7 de junho. Antes, no dia 15 de maio, uma fêmea com filhote foi avistada no Espírito Santo, entre as praias de Itaparica e Barra do Jucu, em Vila Velha. Este foi o primeiro registro do ano em águas brasileiras, abrindo assim, extraoficialmente, a temporada 2018 de avistagens no país.

As baleias-franca têm sido avistadas no Litoral catarinense desde o dia 7 de junho - SCPar Porto de Imbituba/Divulgação/ND
As baleias-franca têm sido avistadas no Litoral catarinense desde o dia 7 de junho - SCPar Porto de Imbituba/Divulgação/ND


A boa nova está sendo comemorada pelo Porto de Imbituba, administrado pela SCPar Porto de Imbituba, que neste ano completa 10 anos de monitoramento aéreo e terrestre das baleias-franca e de outros mamíferos marinhos, através do Programa de Monitoramento de Cetáceos. O Programa é realizado no âmbito do PCA (Plano de Controle Ambiental) do Porto, e tem como objetivo o monitoramento dos mamíferos marinhos que visitam a região do Porto de Imbituba. 

Desde sua implantação, o projeto usa a metodologia de avistagem para catalogar a localização geográfica e o comportamento desses animais, para ampliar o conhecimento acerca da ecologia das espécies frente às atividades portuárias. Como os navios que chegam a Imbituba atravessam a APA (Área de Proteção Ambiental) da Baleia Franca, local de grande concentração de baleias, o monitoramento da frequência de pequenos e grandes cetáceos no entorno do porto, estudando o seu comportamento e acompanhando o tráfego de embarcações, evita as rotas de colisão e zelam pela preservação da espécie.

Anualmente, mais de 100 baleias são registradas, em média, em Santa Catarina. A maioria inclui fêmeas em fase de procriação, que ficam entre o Litoral Norte do Rio Grande do Sul e a região Sul de Santa Catarina, limites da APA da Baleia Franca. Elas vêm para a costa sul-brasileira à procura de águas quentes e enseadas protegidas para o nascimento de seus filhotes. Estima-se que a cada três anos as baleias-franca têm um novo filhote, sendo que o tempo de gestação é de 12 meses. Elas partem da Antártica, onde se alimentam e acumulam reserva energética em forma de gordura para a jornada rumo ao continente sul-americano.

SCPar Porto de Imbituba realiza o monitoramento aéreo e terrestre das baleias-franca - SCPar Porto de Imibutuba/Divulgação/ND
SCPar Porto de Imbituba realiza o monitoramento aéreo e terrestre das baleias-franca - SCPar Porto de Imibutuba/Divulgação/ND


O Programa de Monitoramento

As avistagens feitas pelo Programa de Monitoramento de Cetáceos do Porto de Imbituba são realizadas a partir de pontos estratégicos do Litoral, dentro e no entorno da área portuária. Os trabalhos são conduzidos pela equipe de especialistas da empresa Acquaplan Tecnologia e Consultoria Ambiental, atual contratada para executar o serviço, e supervisionados pela equipe de meio ambiente da SCPar Porto de Imbituba.

Durante a temporada, o monitoramento terrestre ocorre diariamente, em dois pontos de observação, nas enseadas das praias do Porto e Ribanceira, em Imbituba. O tempo de observação padrão é de seis horas diárias, divididas em dois turnos, podendo variar de acordo com a quantidade de horas/luz diárias e condições climáticas, bem como a movimentação dos navios.

Também integra a metodologia de avistagem o monitoramento aéreo, que consiste na realização de três sobrevoos de helicóptero, com duração estimada de 10 horas cada voo. Os sobrevoos ocorrem em toda a extensão da APA da Baleia Franca, com objetivo de registrar a localização, contar, fotografar e identificar os cetáceos através das calosidades únicas que cada baleia possui sobre a cabeça.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade