Publicidade
Quarta-Feira, 14 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 30º C
  • 22º C

Brasileiros desaprovam paralisação e querem controle de preços do gás e do combustível

Para 70% dos ouvidos pelo Datafolha, greve dos caminhoneiros trouxe mais prejuízos do que benefícios ao país

Folha de São Paulo
Brasília
11/06/2018 às 22H06

Sete de cada dez brasileiros avaliam que a paralisação dos caminhoneiros trouxe mais prejuízos do que benefícios ao país e dizem que o governo deve controlar o preço dos combustíveis e do gás de cozinha mesmo que isso resulte em prejuízo à Petrobras.

Gás de Cozinha  - Flávio Tin/ND
População quer controle do preço do gás de cozinha e dos combustíveis - Flávio Tin/ND


A pesquisa foi feita pelo Datafolha nos dias 6 e 7 de junho e mostra que 68% da população é contrária à atual política de reajuste de combustíveis adotada pela estatal, que atrela os valores à variação internacional do barril de petróleo e à cotação do dólar.

Para esse contingente, "o governo deve controlar a Petrobras e baixar os preços dos combustíveis e do gás, mesmo que possa ter prejuízo". Apenas 26% acham que "o governo deve deixar a Petrobras livre para definir o preço dos seus produtos e buscar lucro como outras empresas", postura atualmente adotada.

A defesa da mudança na política de reajuste levou à saída do presidente da estatal, Pedro Parente. Apesar de a nova gestão dizer que manterá a política, o governo pressionou a ANP (Agência Nacional do Petróleo) a abrir negociações para acabar com a possibilidade de reajustes diários e adotar uma fórmula de baratear a gasolina e o botijão de gás.

No dia 29 de maio, o Datafolha fez uma pesquisa por telefone sobre a greve dos caminhoneiros. Devido à metodologia diferente, não é possível comparação com a atual.

Naquela ocasião, foi detectado apoio maciço ao movimento: 87% dos entrevistados aprovavam a greve e 56% diziam que ela deveria prosseguir, apesar de a grande maioria também ter se mostrado contra pagar a conta da redução do diesel ( 87%).

A atual pesquisa do Datafolha mostra que 69% dos entrevistados dizem que a greve trouxe mais prejuízos do que benefícios para a população e  só 20% apontam o inverso, afirmando terem visto mais ganhos do que perdas.

A paralisação foi encerrada no dia 31 de maio devido a um acordo entre governo e caminhoneiros. Pontos dessa negociação, porém, como a adoção de preço mínimo para o frete, causaram incertezas jurídicas, reclamações em outros setores e estão sendo parcialmente revistos.

Apesar da redução do diesel, o preço da gasolina nas bombas tem se mostrado mais alto do que antes do movimento, além de a crise de desabastecimento de gás perdurar.

Em resposta a outra pergunta do Datafolha, a maioria dos entrevistados, 54%, disse considerar que a greve foi um movimento dos trabalhadores, contra 30% que a atribuem a empresários e 11%, a ambos.

Por ordem do governo, a Polícia Federal abriu inquéritos para apurar se houve locaute - incentivo de empresas à paralisação-, o que é proibido.

A política da estatal

Pouco depois de Michel Temer assumir o cargo, em 2016, e sob a batuta de Parente, a Petrobras mudou o modo de definição do preço dos combustíveis adotado no governo de Dilma Rousseff, com combustíveis subsidiados.

Em julho de 2017, a empresa passou a realizar ajustes nos preços a qualquer momento, inclusive diariamente. A política contribuiu para que a estatal saísse de um quadro deficitário para o azul -teve lucro líquido de R$ 7 bilhões no primeiro trimestre de 2018.

Nesse período, porém, o preço médio do litro da gasolina pulou de R$ 3,66 para R$ 4,31, o do diesel foi de R$ 3 para R$ 3,63 e o gás de cozinha subiu de R$ 55 para R$ 67.

Publicidade

4 Comentários

Publicidade
Publicidade