Publicidade
Segunda-Feira, 24 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 19º C

Latino pode fazer jingle para Doria e diz não ter motivos para entrar na política

Tornar-se candidato para um cargo público não está nos planos no cantor no momento

Folha de São Paulo
São Paulo
29/07/2018 às 17H39
Latino - Divulgação/ND
Latino acha importante os artistas se posicionarem politicamente - Divulgação/ND

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com a desistência do empresário Flávio Rocha (PRB) de concorrer à Presidência da República nas eleições deste ano, Latino, 45, afirma que ainda não sabe quem será seu candidato para o cargo majoritário. O cantor apoiou Rocha e fez um jingle para a campanha do empresário inspirado em sua música chamada "Vagalume". "Arrocha, arrocha, arrocha. Agora vai ou Rocha", dizia a letra.

Latino disse ainda que simpatiza com o ex-prefeito de São Paulo João Doria (PSDB), que foi oficializado como candidato ao governo do estado de São Paulo durante convenção partidária do PSDB neste sábado (28). Ele afirma que também faria uma música para Doria.

"Se ele me pedisse, eu faria um jingle, mas acho que ele já tem", diz. "É um cara que merece também meu apoio e meu carinho, mas eu não tenho o mesmo nível de intimidade com ele que eu tenho com o Flávio, que foi meu padrinho de casamento."

O cantor afirma que fez a música para Flávio Rocha de graça, sem cobrar nada, apenas por convicção na proposta do empresário. Latino acredita que Rocha tenha desistido da campanha por não querer compactuar com um sistema que ele não acredita ser certo. "Ele não me contou nada, estou deduzindo. Mas conhecendo a personalidade honesta dele, acredito que ele não quis contribuir com coisa errada", defende.

Por acreditar no empresário, Latino afirma que não se arrepende de ter feito a música de campanha. "Eu, como brasileiro, tenho obrigação de fazer alguma coisa pela nação", afirma. Para ele, é importante que os artistas se posicionem politicamente. "Se a gente não se posicionar, vai ficar cada vez pior", opina. "Tem muitos artistas já morando fora e com vergonha do próprio país."

Tornar-se candidato para um cargo público, no entanto, nunca atraiu o cantor. "Já fui convidado [para ser candidato] milhões de vezes", diz Latino. "Mas como ser candidato num aparelhamento desse? É difícil. Não tenho um motivo para entrar na política, mas quero apoiar quem é bom para o Brasil", afirma.

CARREIRA E BICHOS

Prestes a completar 25 anos de carreira, Latino pretende lançar em setembro um DVD que foi gravado em Recife (PE) chamado "Latino Fantasy". "Eu continuo trabalhando, faço shows corporativos, casamentos e formaturas", conta. "Eu sou o rei das formaturas", brinca o cantor.

Além de se dedicar ao trabalho, Latino também divide seu tempo com os bichos de estimação: uma cachorra, um gato e uma macaca. Depois que seu macaco de estimação, Twelves, morreu atropelado em março, Latino ganhou Ana Paula de presente.

"Eu sou apaixonado por bichos,  gosto mais de bicho do que dos seres humanos", diz. "Mas a porrada come direto em casa, é ciúmes pra todo lado, é punk."

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade