Publicidade
Domingo, 23 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Jovem desaparecida é encontrada pela Polícia em favela de Biguaçu

O suspeito foi detido e ficará detido à disposição da justiça

Luiz Junnior
Tijucas

Luiz Jr/VipSocial/ND
Menina ficou desaparecida por quase dias

O desespero que durou 14 dias terminou depois que uma denúncia anônima levou a Polícia Civil ao local onde estava a menor, desaparecida desde 6 de outubro. Aliciane Camila de Oliveira, 16, foi encontrada na tarde deste sábado (20) no bairro Bom Viver em Biguaçu, com Gustavo Ribeiro Silva, 24, que estaria sendo investigado pelo suposto sequestro.

O delegado de Tijucas Pedro Henrique Mendes solicitou apoio da Polícia Militar e do COP (Central de Operações Especiais) da cidade de Biguaçu. Um disparo de arma de fogo chamou a atenção dos policiais, que conseguiram prender um homem durante a busca pela jovem. O detido repassou informações sobre o paradeiro do casal.

Segundo o delegado, Aliciane e Gustavo estavam deitados na cama quando os agentes invadiram a residência, que seria ainda um antigo ponto de tráfico de drogas. Não houve resistência por parte de Silva no momento da prisão. A polícia também não encontrou indícios de drogas no interior da casa, apenas uma faca no carro do suspeito.

O delegado acredita que ele poderia estar vivendo do comércio de entorpecentes. Em depoimento, Silva conta que a adolescente saiu de livre e espontânea vontade de casa para ter uma vida com ele. O suspeito ficará detido à disposição da justiça, conforme explicou Pedro.

Antônio Mauro de Oliveira, 36, pai de Aliciane disse que a partir de agora dará toda assistência à filha, principalmente na parte psicológica. No entanto, mesmo assim ficou revoltado em saber que Silva ficará livre. Assustada com a situação, segurando um urso de pelúcia e chorando, a jovem permaneceu na delegacia por mais de duas horas, onde prestou esclarecimentos sobre o caso. A ex mulher de Silva, que têm três filhos dele, também foi chamada para depor.

As investigações terão prosseguimento para traçar o trajeto feito por eles, desde o dia do desaparecimento. Delegado Pedro disse ter tido ainda o apoio do DEIC (Diretoria de Investigações Criminais) nos trabalhos investigativos. Como eles estavam na casa de um traficante que está preso, todos os envolvidos serão ouvidos para a conclusão do inquérito.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade