Publicidade
Sábado, 22 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Iniciativas ajudam refugiados a ingressarem no mercado de trabalho brasileiro

O projeto Empoderando Refugiadas, parceria entre Acnur, ONU Mulheres e Rede Brasil do Pacto Global foi criado para dar suporte a mulheres refugiadas para se tornarem economicamente independentes.

Folha de São Paulo
São Paulo
14/07/2018 às 10H11

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - No Brasil, onde cerca de 150 mil estrangeiros buscaram ou estavam em situação de refúgio em 2017, de acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), iniciativas têm ajudado imigrantes a ingressarem no mercado de trabalho local.

O projeto Empoderando Refugiadas, parceria entre Acnur, ONU Mulheres e Rede Brasil do Pacto Global, por exemplo, foi criado para dar suporte a mulheres refugiadas para se tornarem economicamente independentes.

Uma dessas mulheres é a advogada Sylvie Mutiene Ngkang, 35, que deixou o Congo com seus dois filhos após o marido ser preso ao se envolver com política. Pretendia ir para a Europa, mas o navio onde estava aportou no Brasil. Aqui, trabalhou como faxineira em casas e em uma escola.

“Quando fiquei grávida do meu terceiro filho, não entendia como funcionavam as leis e escondi de todo jeito porque não sabia se poderia ser demitida ou não”, diz a africana. Atualmente, ela trabalha como recepcionista bilíngue na Sodexo.

A multinacional da área de serviços de alimentação contrata refugiados desde 2010, quando o Brasil recebeu uma grande leva de haitianos. No total, são mais de 80 refugiados cerca de 0,25% dos funcionários de países como Congo, Angola e Síria.

De acordo com Lilian Rauld, coordenadora de Diversidade e Inclusão da Sodexo, a empresa acompanha o trabalhador refugiado ao banco e o auxilia em outras burocracias brasileiras. “Fazemos também um trabalho prévio com as equipes, para acabar com preconceitos e mitos. Explicamos que é uma pessoa estrangeira, com outra cultura, outro idioma, outra religião.”

Criada em 2015, a ONG Migraflix já ajudou mais de cem refugiados e imigrantes dando suporte para eles ministrarem workshops de culinária, música e arte, ou para venderem comida típica de seus países. Há, entre as opções de cardápio, pratos do Peru, da Venezuela e da Costa do Marfim.

Uma empresa que está começando a atuar nessa causa é a WeWork, multinacional de coworking que aluga desde mesas a prédios inteiros, oferecendo salas de reunião, limpeza e material de escritório. O braço brasileiro, que existe desde julho de 2017, trouxe para o país o projeto WeWork Refugee Initiative.

“Um dos motivos para trazer o projeto para a América Latina foi a crise dos venezuelanos vindos para o Brasil. Pessoas que têm muito potencial para aplicar seus talentos aqui”, afirma Camila Weber, gerente de Comunicação e Relações Institucionais da WeWork no Brasil. “Além das oportunidades que pretendemos ter aqui, queremos usar o poder de conexão que temos para sensibilizar outras empresas, conectar quem quer ajudar com quem precisa.”

A iniciativa, que já empregou 150 refugiados nos Estados Unidos e na Inglaterra desde o ano passado, pretende contratar 1.500 pessoas até 2022.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade