Publicidade
Sábado, 22 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Implantação da Zona Azul gera polêmica em Coqueiros

Cobrança de estacionamento pela prefeitura ainda está em estudo e não tem data para ser colocada em prática

Elaine Stepanski
Florianópolis

O antes bairro tranquilo de Coqueiros, sem grande movimentação no trânsito, ganhou um novo cenário: ruas abarrotadas de carros, novos prédios e salas comerciais, e um fluxo intenso de veículos, tanto durante a semana quando nos fins de semana. Devido à grande demanda na região, a prefeitura estuda implantar os parquímetros no local para iniciar a cobrança do sistema de estacionamento Zona Azul, o mesmo utilizado no Centro de Florianópolis. A implantação do novo sistema, embora ainda esteja no papel, já gera polêmica no bairro.

Marco Santiago/ND
Região do posto de saúde e Parque de Coqueiros geralmente fica lotada de carros

Uma das dificuldades apontadas por quem vive em Coqueiros é a largura de muitas calçadas, que não comporta a aplicação do sistema físico, pois são estreitas. Outra desvantagem para quem critica o sistema é que existem outras formas de permitir a rotatividade de carros.

De acordo com o presidente da Associação dos Moradores das praias do Meio, Itaguaçu e Saudade, Marcos Leandro, uma pesquisa realizada pela associação indicou que 83% de 178 pessoas entrevistadas são contra a implantação da Zona Azul no bairro. “Sabemos que o Parque de Coqueiros recebe, diariamente, veículos que ficam estacionados o dia todo no local por pessoas que vão trabalhar no Centro de Florianópolis, mas o ideal é que tenha um estudo para coibir esse tipo de atitude sem prejudicar as pessoas que utilizam esse espaço para o lazer. O bairro cresceu como um todo, tem vila gastronômica, prédios, mas deveriam, no mínimo, avaliar melhor as construções antes de sair liberando prédios que não comportam estacionamento, por exemplo”, opina.

Para o presidente do Pró-Coqueiros, James Lobo, a implantação da Zona Azul se faz necessária no bairro. Ele reforça que a região é utilizada para estacionamentos de carros que ficam durante todo o dia. “O problema ocorre, principalmente, no Parque de Coqueiros. Às vezes não tem espaço para quem quer ir ao posto de saúde. Além disso, existe um percentual de veículos de uma concessionária que se utiliza do espaço. Se bem planejado, o sistema traria vantagens aos munícipes. No caso de quem utiliza o parque para caminhar, poderia usar o estacionamento por um tempo estipulado”, afirma.

Moradores querem melhorias no bairro

O contrato firmado em 2013 pela prefeitura e a empresa Dom Parking já previa que, além da região central, o bairro Estreito, Coqueiros e também a Trindade deveriam ter a cobrança do estacionamento, e, em casos de demanda maior, outros bairros podem receber o sistema. A explicação da Secretaria de Mobilidade Urbana é de que estas regiões estão superlotadas de veículos e precisam de rotatividade. “Na região central, como as vagas já existiam, foi o primeiro local a ser implantado, mas as outras regiões dependem de estudo técnico e, principalmente, de reuniões com a comunidade. Portanto, não há data para a implantação”, defende o secretário Vinicius Cofferri. A prefeitura aponta ainda que há muitos relatos de pessoas que ocupam as vagas por um período de tempo muito longo.

A moradora Simone Zanella reforça que além da região do parque, há outras ruas na comunidade que sofrem com o problema. “Precisamos da reestruturação ou fiscalização dessas ruas de dentro, com modificação também de estacionamento. Em alguns locais seria necessário proibir o estacionamento nos dois lados da rua. Há muita gente que estaciona de forma indevida”, informa.

Para o comerciante Rodrigo Ferreira, a prefeitura deveria fazer uma ampla melhoria nas ruas antes de passar a cobrar pelo uso da área para estacionamento. “A prefeitura arrecada muito e dá quase nada em troca. Para nós, comerciantes, será um empecilho a mais. Não consigo visualizar melhorias através do que é arrecadado com a Zona Azul. Portanto, não passa de mais um imposto que o cidadão paga sem que seja beneficiado em nada”, afirma.

 

 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade