Publicidade
Segunda-Feira, 12 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 21º C

Governo envia para Alesc projeto que possibilita implantação de transporte integrado

A Suderf tenta aprovação proposta antes que os deputados catarinenses comecem disputa pelo eleitorado

Everton Palaoro
São José
06/08/2018 às 22H40

O governador Eduardo Pinho Moreira (MDB) encaminhou para a Alesc (Assembleia Legislativa de Santa Catarina) o projeto que possibilita a integração do transporte coletivo em oito cidades. A Suderf (Superintendencia de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Florianópolis) espera que a proposta  tenha tramitação rápida.

Segundo o superintendente geral da Suderf, Cassio Taniguch, haverá nesta terça-feira, 7, uma reunião com o presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Alesc, deputado Jean Kuhlmann. “Vou verificar qual o prazo para o projeto ir a votação. É segunda fase do processo. É complicada, mas tem uma perspectiva boa”, projetou o superintendente.

O modelo de transporte regional foi definido após estudos com a participação das prefeituras do continente. O Governdo do Estado estima que a medida vai beneficiar em média 150 mil pessoas diariamente.

O novo modelo de transporte coletivo da região é motivo de preocupação para prefeitos da região. Recentemente, o MPSC requereu e a justiça deu prazo para os municípios licitarem as linhas que hoje são operadas irregularmente.

Em julho, o Comdes (Conselho Metropolitano para o Desenvolvimento da Grande Florianópolis) emitiu nota cobrando uma posição do governo para o que chamou de situação caótica do transporte.

Caso seja aprovado na Alesc, o projeto deverá ser apresentado em audiências públicas e submetido a aprovação dos vereadores das oito cidades envolvidas.
Taniguch explica que para entrar em operação, não são necessárias a realização de obras. Contudo, para que o modelo atenda aos usuários da maneira pensada, haverá a construção de corredores exclusivos de ônibus. “Para começar a operar linhas na região continental é um ano de prazo”, estipulou. Hoje, o usuário perde 1,5 hora/dia no trajeto casa/trabalho.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade