Publicidade
Segunda-Feira, 24 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 19º C

Governador Eduardo Pinho Moreira é um negociador nato na política

Político trouxe da profissão de médico sua paciência para lidar com as adversidades políticas

Da Redação/ND
Florianópolis
06/04/2018 às 22H45

Ninguém é perfeito – e na política, menos ainda. Contudo, há quem se notabilize e tenha a postura pública e o comportamento pessoal ressaltados na avaliação de seus pares, de profissionais com quem divide a rotina diária, de familiares, amigos e conhecidos sem distinção. E mais, de quem exerce o direito de escolher, de votar e de interferir nos destinos de sua cidade, do Estado e do país. Este é o caso do governador Eduardo Pinho Moreira, empossado na manhã desta sexta-feira na Assembleia Legislativa de Santa Catarina. O lagunense de 68 anos, médico por profissão, político por vocação, é dos poucos em seu meio cujo bom conceito beira a unanimidade.

O então deputado Pinho Moreira com Ulisses Guimarães, político que considera seu “professor” - Arquivo Pessoal/ND
O então deputado Pinho Moreira com Ulysses Guimarães, político que considera seu “professor” - Arquivo Pessoal/ND



De pai mineiro – de nascença e pela ligação com a atividade carbonífera no Sul do Estado – e extremado apego à família, o governador é do tipo que não sonega o atendimento via celular nem ao mais remoto interiorano e que trata seus eleitores pelo nome, pergunta pela saúde dos filhos, quer saber como vão os negócios, ausculta o ânimo de qualquer interlocutor. No Centro Administrativo do governo, sobe as escadas como todos os servidores, conversa com a equipe no mesmo nível, faz intervalos com o grupo para jogar conversa fora. Também é pontual e procura – fato raro nesse ambiente – cumprir a agenda à risca, para não constranger ninguém aos chás de cadeira dos gabinetes palacianos.

Para administrar a barafunda de interesses e tendências que é o MDB, só um articulador exímio e um negociador atilado. Foi assim, com tato e palavras escolhidas, que Eduardo Moreira acomodou as disparidades, as vontades conflitantes, as correntes que se embatem na maior agremiação partidária brasileira. Sem manusear a bigorna dos ferreiros, se afeiçoou à bigorna das lutas, na expressão do sempre espirituoso Casildo Maldaner, outro ex-presidente do partido. Há quem diga que a paciência e a sensibilidade que se espera dos cardiologistas foram transferidas, no caso do governador, para as lides políticas, sempre sujeitas a ventos e tempestades, visando à unidade partidária.

Com a mãe, Adelaide, na formatura em medicina - Arquivo Pessoal/ND
Com a mãe, Adelaide, na formatura em medicina - Arquivo Pessoal/ND



Independente dos embaraços da política, das viagens e incêndios a debelar, a família é prioridade para Moreira. Os almoços das quartas-feiras com mulher, filhos e netos sempre foram sagrados. Nas redes sociais, as postagens confirmam esse apego, como a pagar as ausências dos anos de estrada e aeroporto, longe de casa por obra dos compromissos e cobranças da legenda, de correligionários e de campanhas pelos rincões do Estado. Nos meio dessas empreitadas, perdeu a mãe e a mulher, mas não podia esmorecer e, mantendo a serenidade possível, reconstituiu a vida. Sentar na principal cadeira de Santa Catarina parece ser uma compensação para as atribulações recentes e remotas.

Liderança construída a partir do Sul do Estado

Desde a campanha histórica de 1986, no palanque de Pedro Ivo Campos, quando foi guindado a deputado federal constituinte na primeira eleição de que participou, Pinho Moreira é a principal liderança política do Sul catarinense. Prefeito, melhorou substancialmente a mobilidade urbana de Criciúma, cidade que também brindou com programas transformadores no transporte e na saúde pública. É por isso que os votos da região são pródigos, generosos, garantindo vitórias do partido e das coligações de que toma parte. Que o digam Luiz Henrique da Silveira e Raimundo Colombo, a quem substitui até dezembro deste ano.

Com o mentor político Luiz Henrique da Silveira - Arquivo Pessoal/ND
Pinho Moreira com o mentor político Luiz Henrique da Silveira retratados em campanha eleitoral - Arquivo Pessoal/ND


A lealdade, a afabilidade e a diligência, méritos que todos ressaltam, o pragmatismo que ajudou a costurar alianças, a capacidade de perceber os desdobramentos futuros da ação política atual – tudo isso entra na conta para fazer de Eduardo Pinho Moreira, independente do tempo que permanecer à frente do Executivo estadual, um comandante forjado, para usar a metáfora de Maldaner, na bigorna que transforma todos os dissensos em consensos.

 

Publicidade

3 Comentários

Publicidade
Publicidade