Publicidade
Sábado, 22 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Geraldo Alckmin é eleito presidente do PSDB em convenção

Ele ocupará o cargo pelos próximos dois anos e atacou Lula em seu primeiro discurso

Folha de São Paulo
Brasília (DF)
09/12/2017 às 14H00

DANIEL CARVALHO, BRUNO BOGHOSSIAN, TALITA FERNANDES E THAIS BILENKY

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, foi eleito presidente do PSDB neste sábado (9) em convenção do partido em Brasília. Ele ocupará o cargo pelos próximos dois anos.

Apesar do acordo costurado por semanas, o senador Tasso Jereissati (CE) não assumiu o Instituto Teotônio Vilela, braço de formulação política do partido. O ex-senador José Aníbal resiste a deixar o posto.

O primeiro vice-presidente presidente será Marconi Perillo e o segundo, Ricardo Tripoli, aliado de Tasso.

Com a chegada à presidência da sigla, Alckmin começa a erguer sua candidatura presidencial. Em seu discurso na convenção, ele deve fazer ataques duros ao ex-presidente Lula e se apresentar como uma opção de "mudança" em relação a governos recentes do país.

Em seu primeiro discurso no posto, o paulista fez críticas pesadas ao PT e afirmou que Lula, seu possível adversário nas urnas em 2018, quer "voltar à cena do crime".

"Vejam a audácia dessa turma. Depois de ter quebrado o Brasil, Lula quer voltar ao poder", disse. "Será que petistas merecem nova oportunidade? Nós os derrotaremos nas urnas."

O governador também fez a defesa de uma pauta econômica reformista e responsabilizou o PT pela recessão dos últimos anos. "Acreditamos em políticas públicas perenes e não em bravatas de marketing", afirmou.

"Lula será condenado nas urnas pela maior recessão da nossa história. As urnas o condenarão pelos 15 milhões de empregos perdidos, pelas milhares de empresas fechadas, pelos sonhos perdidos."

"O PSDB é um instrumento da modernização do Brasil, o Brasil desburocratizado", continuou.

"Vamos perseguir a inovação de forma obsessiva. O conhecimento e a imaginação criando futuro a passos largos", disse. "Já passou da hora de tirar o peso desse Estado ineficiente das costas dos trabalhadores e empreendedores brasileiros."

Segundo o tucano, é "hora de olhar para a frente com união e esperança renovada".

Como indica seu primeiro discurso à frente da legenda, o paulista pretende mirar o PT para abrir espaço na disputa pelo Planalto, até agora polarizada entre Lula e Jair Bolsonaro (PSC).

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade