Publicidade
Segunda-Feira, 22 de Outubro de 2018
Descrição do tempo
  • 24º C
  • 17º C

Gasolina acumula alta de 2,4% após reajuste da Petrobras

Desde o reajuste, o aumento acumulado nas bombas é de 2,4%, ou R$ 0,09

Folha de São Paulo
Rio de Janeiro (RJ)
16/12/2016 às 22H55

NICOLA PAMPLONA

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O preço da gasolina no país subiu com mais força nesta semana, refletindo os repasses do último reajuste promovido pela Petrobras no último dia 5.

De acordo com a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), o litro do combustível foi vendido, em média no país, a R$ 3,742.

O valor é 1,4% superior ao praticado na semana anterior, quando houve alta de 1%. Desde o reajuste, o aumento acumulado nas bombas é de 2,4%, ou R$ 0,09.

Segundo a Petrobras, a gasolina pode subir 3,4%, ou R$ 0,12 por litro - Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas/Divulgação/ND
Desde o reajuste, o aumento acumulado nas bombas é de 2,4%, ou R$ 0,09 - Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas/Divulgação/ND


Ao anunciar o aumento de 8,1% no preço de venda das refinarias, a Petrobras estimou um repasse de R$ 0,12 por litro aos postos.

Isso é, duas semanas após o reajuste, o repasse ainda está abaixo do estimado.

Em São Paulo, o litro da gasolina foi vendido, em média, a R$ 3,561 nesta semana. O valor é 0,6% mais caro do que na semana anterior e 2% mais caro do que antes do reajuste.

O preço do diesel também permaneceu em alta, mas em ritmo menor. No dia 5, foi aumentado em 9,5% nas refinarias, com repasse estimado em R$ 0,17 por litro.

De acordo com a ANP, o combustível foi vendido a um preço médio, no Brasil, de R$ 3.025 por litro, alta de 1,4% com relação à semana anterior.

Desde o reajuste, o repasse acumulado é de 1,5%, ou R$ 0,04 por litro.

Em São Paulo, o litro do diesel foi vendido a R$ 2,905, queda de 0,9% com relação à semana anterior. Na primeira semana após o reajuste, o preço caiu no Estado.

A nova política de preços da Petrobras prevê reuniões mensais de um grupo de executivos para avaliar os preços com base nas cotações internacionais, no câmbio e nas vendas da empresa no mercado interno.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade