Publicidade
Terça-Feira, 20 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 16º C

Florianópolis sediará workshop sobre mudanças climáticas em zonas costeiras

Professores e pesquisadores se reunirão na próxima semana, na sede da Epagri, para discutir e buscar tecnologias e iniciativas inovadoras

Redação ND
Florianópolis
06/04/2018 às 19H45

Florianópolis sediará, entre os dias 10 e 12 de abril, o 4º Workshop sobre Mudanças Climáticas em Zonas Costeiras: Monitoramento e Modelagem. Pesquisadores e professores de todo o país estarão reunidos na sede da Epagri (Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina), com objetivo de fomentar e consolidar pesquisas que visem o monitoramento e modelagem climática regional em áreas costeiras no Brasil. A Epagri é detentora de uma das mais completas e modernas redes de monitoramento da maré do país, com nove estações maregráficas instaladas desde Itapoá, no Norte do Estado, até Passos de Torres, no Extremo-Sul.

Workshop busca consolidar pesquisas que visem o monitoramento e modelagem climática regional em áreas costeiras no Brasil - Matias Boll/Epagri/Divulgação/ND
Workshop busca consolidar pesquisas que visem o monitoramento e modelagem climática regional em áreas costeiras no Brasil - Matias Boll/Epagri/Divulgação/ND


O evento é promovido pela Subrede Zonas Costeiras da Rede Clima e pelo SIMCosta (Sistema de Monitoramento da Costa Brasileira), com apoio da Epagri. Ao reunir professores e pesquisadores que atuam na área, o workshop busca tornar mais eficaz e eficiente o binômio observação-modelagem climática em zonas costeiras do Brasil. Além de permitir o compartilhamento de conhecimento e experiências, o evento é um espaço para busca de tecnologias e iniciativas inovadoras.

Na programação, palestras e apresentações orais de representantes de programas de governo e de projetos de pesquisa na área. O evento também terá apresentação de trabalhos, na forma de painéis.

O monitoramento da costa catarinense vem sendo realizado desde 2012 pela Epagri/Ciram. Naquele ano, foi instalado o primeiro marégrafo, em Florianópolis, vinculado a um projeto de pesquisa. A partir de 2014, teve início a montagem da rede de monitoramento costeiro, que conta hoje com nove pontos monitorados (na Capital, Ilha da Paz, Itapoá, São Francisco do Sul, Balneário Camboriú, Imbituba, Laguna, Balneário Rincão e Passo de Torres). Além de marégrafos, também conta com duas estações meteorológicas e um correntômetro.

Todos os equipamentos são automáticos, lendo e transmitindo os dados de forma autônoma para a sede da Epagri/Ciram, em Florianópolis. Esses dados são qualificados e atualizados no site da instituição a cada hora, todos os dias do ano.

Litoral abriga 40% da população do Estado

Dados do IBGE de 2016 mostram que cerca de 40% da população catarinense (2,7 milhões de pessoas) vivem na zona litorânea, que responde por 9% da área total do Estado. A região é responsável pela geração de 30% do PIB (Produto Interno Bruto), também de acordo com o IBGE.

Santa Catarina conta com dois portos entre os dez maiores do Brasil e quatro entre os 20 maiores. Em conjunto, estes portos reforçam a importância econômica da região, sendo que três deles (São Francisco do Sul, Itapoá e Imbituba) são parceiros da Epagri no projeto. A pesca também uma é atividade de importância econômica e social para Santa Catarina, além do turismo e da prática de esportes náuticos, atividades que são beneficiadas pelo serviço prestado pela Epagri/Ciram. A rede também é fundamental para gerar dados que embasam pesquisas realizadas pela Epagri ou outras instituições.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade