Publicidade
Quarta-Feira, 14 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 30º C
  • 22º C

Ex-senador boliviano asilado no Brasil morre após acidente de avião

O ex-senador pilotava o próprio avião, de pequeno porte, quando caiu em Luziânia, Goiás

Folha de São Paulo
São Paulo
16/08/2017 às 13H00

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ex-senador boliviano Roger Pinto Molina, 58, morreu na madrugada desta quarta-feira (16) em Brasília. Ele estava em estado grave no Hospital de Base desde sábado (12), após sofrer um acidente de avião em Goiás. Segundo a Secretaria de Saúde, Molina teve uma parada cardiorrespiratória e morreu às 4h43. Por se tratar de um acidente aéreo, o corpo foi encaminhado para o IML (Instituto Médico Legal).

O ex-senador pilotava o próprio avião, de pequeno porte, quando caiu em Luziânia (GO). De acordo com o Corpo de Bombeiros de Goiás, a queda aconteceu após a decolagem no aeroclube da cidade, no entorno de Brasília. Único ocupante da aeronave, Molina ficou preso nas ferragens. Após ser estabilizado pelos bombeiros, ele foi levado para a UTI do Hospital de Base.

ASILO

Molina pediu asilo ao Brasil em maio de 2012, afirmando ser alvo de perseguição política do governo Evo Morales, que o acusava de vender terras em Pando, departamento que governava, e de ser o mandante de uma ação em que 20 índios foram mortos.

O pedido foi aceito, mas a Bolívia não deu o salvo-conduto para que ele saísse do país. Ele ficou 454 dias na embaixada brasileira em La Paz, até sair de lá com ajuda de Eduardo Saboia, encarregado de negócios, que o levou de carro até Corumbá. De lá, o boliviano partiu para Brasília, onde morava. A operação provocou uma crise diplomática entre Evo Morales e a então presidente Dilma Rousseff, que terminou com uma suspensão a Saboia no Itamaraty.

Em 2013, Molina afirmou que voltar à Bolívia seria "sentença de morte".

"Retornar à Bolívia é pouco menos que um suicídio para mim. Se você escuta Morales, como ele fala, o pouco respeito que tem pelas pessoas, tenha a plena segurança de que voltar à Bolívia [para mim] é uma sentença de morte", disse Molina à época. O ex-senador também foi citado na época do acidente com o avião que levava o time da Chapecoense a Medellín, na Colômbia, que deixou 71 mortos. Ele era sogro de Miguel Quiroga, piloto e dono da empresa LaMia.

Nos últimos anos, Molina tentava se reerguer financeiramente e revalidou sua habilitação para pilotar no Brasil, relata seu advogado, Fernando Tibúrcio. "Ele estava começando a fazer alguns voos privados", afirma. No sábado (12), estava em uma aeronave que usava para treinamento. Segundo Tibúrcio, o desejo do senador era passar os últimos dias de vida na Bolívia. A possibilidade de tentar levar o corpo ao país será discutida com a família. "Sabemos que, se for essa opção, a família vai ter dificuldades políticas para fazer isso", afirma.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade