Publicidade
Quarta-Feira, 24 de Maio de 2017
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 18º C

"Eu quero é sossego": opções de praias para quem quer tranquilidade em Florianópolis

Praias do Moçambique, Solidão, Saquinho e Açores são pouco frequentadas e garantem contato com a natureza

Viviane de Gênova
Florianópolis
21/01/2017 às 16H28

Praia é sinônimo de agito, festas e curtição, certo? Nem sempre. Há quem prefira ir para a praia apenas para curtir a natureza, ler um livro ou até mesmo tirar um cochilo na areia, ao som do barulho do mar. Apesar de Florianópolis ser conhecida por praias badaladas, como a Mole, a Joaquina e Jurerê Internacional, há também opções para quem quer sossego, mesmo durante a alta temporada.

Praia da Solidão, no Sul da Ilha  - Flávio Tin/ND
Praia da Solidão, no Sul da Ilha - Flávio Tin/ND



Com orla de quase 13km, a praia do Moçambique é a maior em extensão da Ilha de Santa Catarina, mas também uma das opções mais tranquilas em relação ao movimento de turistas. A praia fica localizada ao nordeste da Ilha, em mar aberto, fazendo com que as ondas fortes chamem a atenção de surfistas e praticantes de outros esportes náuticos. Com água cristalina, areia fofa e limpa, a praia do Moçambique é refúgio principalmente de moradores do Rio Vermelho. Aliás, parte de sua extensão fica dentro do Parque Florestal do Rio Vermelho, por isso o acesso é pela SC-406 e depois por uma curta estrada de chão, sem muito movimento. Há dois cuidadores de carro no local e três barracas de comida e bebida, além de uma ducha improvisada por um ambulante para atender os banhistas.

As amigas Andrea Vernier, 42, e Edileza Marques, 38, ambas professoras e moradoras de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, tem a praia do Moçambique como destino das férias há cinco anos. Elas estão hospedadas com mais sete pessoas em uma casa próxima à praia e afirmam que o sossego da região foi decisivo para a escolha do local. “Aqui não tem aquela exploração imobiliária e comercial dos turistas. É um lugar tranquilo, mais nativo, que chama a atenção exatamente pelo fato de a gente poder descansar. É maravilhoso”, diz Andrea. Ela comenta que, como a praia é longa, consegue aproveitar o local de diversas maneiras, como caminhando até a Ponta das Aranhas, pequena região que fica ao Norte da praia do Moçambique, com natureza mais exótica. 

Mar revolto 

Morador do Rio Vermelho, o empresário Genilson Miguel Cardoso, 36, gosta de tomar banho de mar e jogar bola com a família. Ele ressalta que a Moçambique já é ponto conhecido de surfistas que vão ao local em busca das ondas perfeitas, mas que, por isso mesmo, a praia não é muito recomendada para crianças. “O mar é bastante agitado, não dá pra vacilar. Mas a praia também é muito boa e limpa. Aliás, os próprios moradores da região cobram bastante nessa parte, estão sempre cuidando do patrimônio”, acrescenta. Apesar de paradisíaca, a segurança do local é deficitária. A Polícia Militar faz rondas diárias na região, mas os arrombamentos de carro são constantes, por isso, o ideal é que o banhista evite deixar o veículo em locais isolados.  Há apenas um único posto de guarda-vidas na região, com cinco profissionais. Eles argumentam que, como a praia é muito extensa, a recomendação é para que os banhistas fiquem próximo ao posto, já que o mar revolto aumenta o risco de afogamentos ou de ser arrastado e não há estrutura suficiente para atender pontos mais longes.

Sul das poéticas praias Solidão e Açores

Não tão conhecidas como a praia do Pântano do Sul, as praias da Solidão e dos Açores são alternativas para quem não quer ficar brigando por um lugar para apoiar o guarda-sol e a cadeira na faixa de areia. Ainda que não sejam tão isoladas, quem vai até essas duas praias tem a garantia de tomar um banho de mar sem o agito comum de outras localidades.A praia da Solidão, que ganhou esse nome justamente pela sua tranquilidade, tem ondas medianas e água fria. Para as crianças, tem a opção ainda de uma espécie de piscina natural formada pelas águas do rio da Pacas, que desemboca próximo ao canto direito da praia.

“Posso vir aqui, ficar sentada e tranquila deixando meu filho brincar. A praia até tem um pouco mais de movimento aos fins de semana, mas mesmo assim, não chega nem perto ao que é o Campeche ou Ingleses nessa época do ano, por exemplo”, observa a psicóloga Lucilene Pinheiro, 37, que mora no Campeche. Para ir até a praia da Solidão, o acesso é pela SC-406 e depois pela rua Inério Joaquim da Silva. A praia do Açores também tem água clara e limpa e fica entre o Pântano Sul e a Solidão. A praia é uma das preferidas da coordenadora pedagógica Betina Faleiro, que mora em Lageado, no Rio Grande do Sul, mas que vem com a família passar as férias em Florianópolis há mais de 17 anos. “Quando quero um pouco mais de agito, vou para o Ingleses, mas quando quero sossego, venho para os Açores. Inclusive, a escolha da praia neste ano foi de meus filhos, que curtem essa tranquilidade.

Aqui temos menos comércio e mais natureza, além do acesso às trilhas”, argumenta. Para quem deseja seguir até a praia dos Açores, ela é uma continuidade da praia do Pântano do Sul, com trajeto também pela SC-406.

Pequeno paraíso do Saquinho

Pouco conhecida em cartões postais, a Praia do Saquinho, no Sul da Ilha, é ideal para quem procura privacidade. Escondidinha depois da praia da Solidão, a areia branca e a beleza exuberante do mar, contornado pelo verde dos morros, são recompensas de quem está disposto a enfrentar uma trilha de aproximadamente 1,3km para chegar até lá, com subidas e descidas. O bom é que o trajeto é todo calçado por um trilho de concreto, fazendo com que a caminhada não seja tão árdua.

Como a trilha passa pela mata fechada, é indicado ir de tênis, levar água e passar repelente. Também é fundamental tomar cuidado com animais peçonhentos, como cobras e aranhas. Mas o caminho também tem seus presentes, como uma vista panorâmica das praias da Solidão, Açores e Pântano do Sul, além de pequenos riachos com água doce e fresca. Com menos de 100 metros, a pequena praia é esculturada por pedras. Mas, como é local isolado, não é monitorado por guarda-vidas. Acidentes que acontecerem por lá são atendidos pelo posto dos bombeiros da praia da Solidão, com acesso, também, por trilhas.

Ao redor da praia, há algumas poucas casas, de veraneio e de moradores nativos. Uma delas, inclusive, abriga um pequeno restaurante com comida açoriana. O contato com a natureza é o que leva o professor uruguaio Gustavo González, 43, até a praia do Saquinho. Morador da capital Montevidéu, ele frequenta Florianópolis desde 1994 e afirma que a paz e a tranquilidade são os maiores atrativos do local. “A praia traz uma riqueza natural muito grande, muito diferente, por exemplo, das praias do Norte da Ilha e também de Montevidéu, que é uma cidade bastante agitada”, argumenta.

Bandeiras indicativas

Tanto a Solidão como a praia dos Açores possuem postos de guarda-vidas e bandeiras indicativas sobre os melhores ou piores lugares para aproveitar o banho. Segundo o cabo Jairo Fortunato, coordenador de praia do Corpo de Bombeiros, 11 militares garantem a segurança nessas duas praias. “Trabalhamos bastante com a prevenção, com bandeiras vermelhas indicando perigo e verde com os melhores lugares para tomar banho de mar. Mas, como em nenhum outro lugar, aqui também não está isento de arrastamentos e afogamentos”, afirma.
Conforme o cabo Fortunato, a maioria das ocorrências atendidas na região é relacionada a arrastamentos e, geralmente, em locais mais distantes, que não são patrulhados pela equipe.

Publicidade

3 Comentários

  • Rodrigo
    Lá vem mais matéria pra acabar com o sossego das praias.
    Pântano, Açores e Solidão já estão cheias de pequenos ladrões, traficantezinhos e outros malas.
    O povo que está vindo só deixa sujeira na praia, gritaria, som alto.. acabaram com a paz das praias.
    Roberta
    A praia da Solidão realmente é linda, porém não está mais tão tranquila como falam. Nos finais de semana é comum brigas entre motoristas por causa de vagas de estacionamento na estrada. É uma praia
    pequena e sem muito estacionamento. Acess
    o único pelo morro no qual tb serve de estacionamento de ambos os lados. Carros tem que ceder vaga para outro subir. Tenho casa lá e ta um caos.