Publicidade
Sexta-Feira, 16 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 19º C

Estudo relaciona uso de analgésico comum a problemas cardiovasculares

A chance de um consumidor de diclofenaco ter um problema grave, é 50% maior do que aqueles que não usaram nenhum tipo de anti-inflamatório não esteroidal

Folha de São Paulo
São Paulo (SP)
04/09/2018 às 23H09

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um estudo conduzido por pesquisadores da Dinamarca mostrou uma forte associação entre problemas cardiovasculares e o uso de diclofenaco, uma das drogas com ação anti-inflamatória mais consumidas em todo o mundo.

Em muitos casos, governo repassa recursos a pacientes para compra de remédios - Helena Marquardt/Secom/Divulgação/ND
Em muitos casos, governo repassa recursos a pacientes para compra de remédios - Helena Marquardt/Secom/Divulgação/ND

A chance de um consumidor de diclofenaco ter um problema grave, como fibrilação atrial, insuficiência cardíaca e infarto, é 50% maior do que aqueles que não usaram nenhum tipo de anti-inflamatório não esteroidal (Aine, classe à qual pertence o diclofenaco).

Em comparação ao uso de paracetamol (um analgésico) e ibuprofeno e naproxeno (outros Aines), o risco de quem usa diclofenaco ter alguma complicação cardiovascular grave é aumentado em 20%, 20% e 30%, respectivamente. A droga também aumenta o risco de haver sangramento intestinal.

O novo estudo, publicado na noite desta terça (4) pela revista médica BMJ, investigou dados de mais de 6 milhões de pessoas, coletados entre 1995 e 2016. O país mantém um registro das compras de medicamentos advindas de prescrições médicas e também dos eventos de relevantes de cada paciente, no sistema público de saúde. Aqueles que tinham tido doenças como trombose, angina problemas de coagulação e outras condições cardiovasculares foram excluídos da pesquisa.

As análises foram computadas mês a mês, de janeiro de 1996 a dezembro de 2016. Ao longo dos 252 meses foram encontrados 1.465 eventos cardíacos graves em usuários de diclofenaco (0,1%) e 898 (0,07%) em quem não usava nenhum anti-inflamatório. Não foram avaliados os efeitos a longo prazo.

O estudo foi desenhado de forma a simular características de um ensaio clínico, com a entrada de pacientes com determinadas características (como uso ou não de determinados anti-inflamatórios) ao longo de um período de 20 anos.

Os pesquisadores, filiados ao Hospital Universitário de Aarhus, explicam que, como já se sabia da possibilidade de o diclofenaco ter efeitos cardiovasculares deletérios, seria antiético conduzir um novo estudo experimental com pacientes

A provável explicação para as complicações cardiovasculares tem origem no bloqueio de enzimas pelo diclofenaco, o que gera os efeitos analgésico e anti-inflamatório. Enquanto a ciclo-oxigenase 2 (COX2) é eficientemente inibida, a ciclo-oxigenase 1 (COX1) para de funcionar por pouquíssimo tempo. Como consequência, uma molécula, o tromboxano A2, conhecida por favorecer a formação de trombos, fica com atividade aumentada.

Com esses resultados em vista, escrevem os pesquisadores, não há justificativa para prescrever o diclofenaco antes de tentar outros anti-inflamatórios. Eles ainda sugerem que as apresentações do remédio não sejam vendidas sem receita médica e que haja um alerta na embalagem sobre os riscos. Uma alternativa mais segura seria o ibuprofeno, dizem os autores.

Além disso, afirmam os cientistas, todos os estudos de novas drogas que usaram o diclofenaco como base de comparação podem conter um erro grave de segurança, já que os valores de referência já seriam erroneamente elevados.

Publicidade

1 Comentário

Publicidade
Publicidade