Publicidade
Sábado, 22 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Estudante de SC que teve mão dilacerada na manifestação em Brasília passa por cirurgia

O jovem de 21 anos, aluno do IFSC, teve parte da mão reconstituída após um artefato explosivo atingir seus dedos

Gustavo Bruning
Florianópolis
25/05/2017 às 20H06

O estudante catarinense que ficou ferido após um artefato explodir em sua mão direita nas manifestações contra o presidente Michel Temer (PMDB), na quarta-feira (24), passou por uma cirurgia para reconstituir os três dedos afetados, nesta quinta-feira (25). Vitor Rodrigues Fregulia, de 21 anos, é aluno do IFSC (Instituto Federal de Santa Catarina) de Araranguá, e continua internado sob observação no Hospital de Base de Brasília, de onde deve ter alta na terça-feira (30).

Durante a manhã, Vitor passou por uma cirurgia de seis horas - Ingrid Leitenberg/Divulgação/ND
Durante a manhã, Vitor passou por uma cirurgia de seis horas - Ingrid Leitenberg/Divulgação/ND


De acordo com Ingrid Leitenberg, representante da central sindical CSP-Comlutas e professora da rede pública estadual em São José, a cirurgia levou seis horas e foi realizada durante a manhã. A servidora acompanhou Vitor no ônibus que o levou a Brasília e está fazendo companhia para ele no hospital desde então.

>> Polícia usa armamento letal e homem é baleado durante ato em Brasília

No fim da tarde desta quinta, o jovem seguia medicado e descansando. “Às 14h ele passou pelo médico e conseguiu ter uma visão de como a mão ficou após a operação”, relata Ingrid. Segundo ela, foi possível reconstruir a metade de dois dedos. Em outro, foi preciso colocar um metal para sustentá-lo. “Ele está lúcido, mas continua tomando antibióticos e morfina”, conta. Conforme a colega, Vitor decidiu se resguardar e não falar com a imprensa por enquanto, mas autorizou que passassem informações sobre a sua situação.

O episódio

O incidente que resultou na perda de parte da mão do estudante ocorreu por volta das 15h. “O grupo estava no gramado, do lado esquerdo, antes de chegar ao primeiro ministério”, disse Ingrid, que viu a confusão de cima de um dos caminhões. De acordo com a professora, a polícia não deixava que os manifestantes passassem de um ponto e levassem bandeiras e balões.

Vitor Rodrigues teve a mão dilacerada após explosão de rojão - Correio Braziliense/ND
Vitor Rodrigues teve a mão dilacerada após explosão de rojão - Correio Braziliense/ND


Em certo momento, Ingrid descreve que os policiais jogaram "bombas de gás, efeito moral e lacrimogênio". “A gente não sabe o que foi jogado naquele momento, mas aquilo caiu próximo a ele [Vitor]. Na hora o tumulto era grande, e ele tentou afastar [o que jogaram] com a mão, mas estourou naquele momento”, relata.

>> Protesto contra Temer termina com 49 feridos, 7 detidos e Exército nas ruas, em Brasília

O estudante, segundo Ingrid, ainda estava consciente quando viu a própria mão dilacerada. Um colega que estava com o jovem o direcionou a um dos caminhões da manifestação, e em seguida ele foi socorrido pelo Samu. “Inicialmente comentaram apenas que ele tinha quebrado o dedo, então não ficamos tão preocupados”, afirma a servidora. Ela conta ainda que, em um dos momentos após a explosão do artefato, Vitor perdeu a consciência.

Ainda não há previsão para que o estudante retorne a Santa Catarina, já que ele passará pelo IGP (Instituto Geral de Perícias) e pela delegacia de polícia depois de receber alta.

As versões

Um segurança da Câmara dos Deputados ouvido pelo jornal Correio Braziliense afirmou que Vitor teria pego o que seria um rojão e tentado lançá-lo contra policiais militares que estavam no local. Segundo a assessoria da CUT-SC, os relatos de outros manifestantes que estavam com o estudante afirmam que a polícia jogou o artefato e Vitor foi pegá-lo para tirar de perto.

Ainda conforme a assessoria da CUT-SC, 1.300 pessoas de Santa Catarina participaram da manifestação, que recebeu 30 ônibus que partiram do estado catarinense.

Publicidade

14 Comentários

Publicidade
Publicidade