Publicidade
Quinta-Feira, 22 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 19º C

Entrega da reforma da Casa de Câmara e Cadeia é adiada mais uma vez

Reforma, que começou em setembro de 2014, foi prometida para março de 2016, julho de 2018 e esta terça-feira (04). Novo prazo é 14 de setembro

Redação ND
Florianópolis
03/09/2018 às 20H27
Casa de Câmara e Cadeia, no Centro de Florianópolis - Marco Santiago/ND
Casa de Câmara e Cadeia, no Centro de Florianópolis, em 6 de setembro de 2018 - Marco Santiago/ND

A entrega da reforma da Casa de Câmara e Cadeia, prevista paraesta terça-feira (04), ficou para o dia 14 de setembro. Em vistoria, nesta segunda (03), técnicos do município constataram que a construtora responsável pela obra não finalizou todos os trabalhos. Falta a instalação de cinco peças de vidro no anexo do casarão, que se quebraram durante o transporte. A Prefeitura de Florianópolis notificou a empresa e só entregará o prédio histórico ao Sesc (Serviço Social do Comércio), responsável pela implantação do Museu da Cidade, depois de toda a obra pronta com os alvarás necessários.

O Museu da Cidade deverá ser inaugurado em fevereiro de 2019, já que o Sesc terá, a partir do dia 14, prazo de 180 dias para abrir o equipamento cultural ao público. A proposta do Sesc para exploração do museu pelos próximos 20 anos, no valor de R$ 9 milhões, foi escolhida por licitação. Nela, ficou acertado que o museu deverá contar a história política e econômica de Florianópolis, de forma interativa e dinâmica, utilizando tecnologias e mídias contemporâneas, nas versões português, espanhol e inglês.

Casa de Câmara e Cadeia durante a reforma - Bruno Ropelato
Casa de Câmara e Cadeia durante a reforma, em 2016 - Bruno Ropelato/ND

O prédio da antiga Casa de Câmara e Cadeia, que fica no entorno da praça 15, é um dos três mais antigos e significativos da Capital. Datado de 1771 e tombado como patrimônio histórico de Florianópolis, o casarão passou por uma ampla restauração, na qual foram investidos R$ 7,5 milhões. Deste montante, R$ 4,4 milhões foram repassados pelo Ministério da Cultura, e o restante é da prefeitura.

Na edificação histórica, que tem área total construída de 865,90 m², foi trocada toda a cobertura (telhado) e a fiação elétrica, assim como substituído o sistema de coleta de águas pluviais. E, pela primeira vez em 247 anos, o prédio passou a contar com sistema preventivo contra incêndio e com sistema de climatização.

Publicidade

1 Comentário

Publicidade
Publicidade