Publicidade
Terça-Feira, 20 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 16º C

Empresários propõem terminal de cruzeiros no Campeche

Ainda em fase de desenvolvimento conceitual, projeto prevê o trânsito de 150 navios por ano

Rafael Thomé
Florianópolis

Uma proposta ousada pode levar o turismo marítimo ao Sul da Ilha de Santa Catarina. Não é de hoje que paineis e palestras debatem a possibilidade de implementação de terminais portuários voltados para cruzeiros em Florianópolis. Enquanto o projeto para a construção de uma marina em Canasvieiras avança, especialistas e consultores ligados ao setor trabalham em opções alternativas. Nesse intuito, está em desenvolvimento um projeto para a criação de um terminal de cruzeiros na praia do Campeche.

Luís Antonio Braga, diretor-presidente da Bragaport Consultoria, empresa com estudos portuários, é responsável pela ideia e ganhou apoio de Ernesto São Thiago, advogado especialista em direito da orla e ex-diretor da Brasil Cruise (Associação Brasileira de Terminais de Cruzeiros Marítimos). “O momento está bem propício. Temos um ministro do turismo sensível a essas questões, o [Vinicius] Lummertz na presidência da Embratur [Instituto Brasileiro de Turismo] e toda essa movimentação que a Acatmar começou a fazer com os cruzeiros. As forças estão convergindo e é bom ter mais de uma ideia no debate, até para estabelecer contrastes”, disse São Thiago.

O projeto ainda está em fase de desenvolvimento conceitual e depende de recursos para ser colocado no papel. De acordo com os idealizadores, a intenção é instalar o terminal portuário em frente à ilha do Campeche, onde estaria “protegido” das fortes ondas e correntes marítimas e poderia receber até 150 navios por ano. “Além disso, fica perto do aeroporto, o que facilita o deslocamento, tendo em vista que há muita viagem do tipo fly and cruise, em que o turista chega de avião e embarca no navio, ou ao contrário. Soma-se a isso a profundidade natural do local, que ajuda o trânsito dos navios, e a não necessidade de fazer um molhe de proteção, apenas um píer”, afirmou o ex-diretor da Brasil Cruise.

Procurados pela reportagem, Capitania dos Portos, Acatmar e Luís Antonio Braga não atenderam às ligações até o fechamento desta edição.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade