Publicidade
Quarta-Feira, 26 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 19º C

Busca pelo emagrecimento exige cuidados especiais

Ânsia por perder peso mais rapidamente pode causar problemas de saúde

Elaine Stepanski
Florianópolis
Daniel Queiroz/ND
Delio chegou a tomar remédios, mas procurou ajuda para emagrecer de forma mais natural

 

Alteração de humor, sono e aceleramento dos batimentos cardíacos foram alguns dos sintomas vividos pelo funcionário público Delio José Guerra, 34 após ingerir diversas vezes o remédio de emagrecimento sibutramina. Cansado da ineficiência da medicação e após atingir 156 kg, ele procurou a ajuda de um profissional para emagrecer de forma saudável.

Conhecido no meio popular como um dos métodos mais rápidos de emagrecimento, a sibutramina é procurada por muitos pacientes que querem emagrecer de forma rápida e aparentemente fácil. Em Florianópolis, o nutrólogo Omar César Ferreira de Castro, preso em fevereiro após abusar sexualmente de suas pacientes, era conhecido por receitar indiscriminadamente a medicação, até mesmo para quem não tinha o IMC maior ou igual a 30. O remédio receitado para obesos só pode ser usado por no máximo dois anos.

“Tomei sibutramina pela primeira vez aos 20 anos. Usei umas três quatro vezes sempre achando que dessa vez ia fazer efeito. Foi receitado por cardiologistas e endócrinos. Não ia procurando o remédio, mas tinha o objetivo de querer emagrecer muito. Em um determinado momento cheguei a falar, mas já tomei e não fez efeito e os médicos me diziam que daquela vez ia ser diferente, que seria uma nova dosagem”, conta Délio.

Segundo o especialista em medicina do esporte e do exercício Pedro Luz da Rosa, o uso de qualquer tipo de medicação deve ser avaliado conforme as particularidades do paciente. Falta de hormônio, vitaminas ou casos extremos de obesidade são alguns dos casos em que medicações são indicadas.

“Claro que a pessoa precisa focar, cuidar-se, empenhar-se e dedicar-se para que algo tenha sucesso, no caso do emagrecimento, dieta e exercícios físicos com regularidade. Quanto mais problemas associados esta pessoa tiver, mais difícil é chegar lá. Então tratar as comorbidades é sim muito importante e aí estas medicações ajudam no sucesso”, conta Rosa.É preciso saber o que usar e de que maneira vai fazer efeito e não sair receitando inibidor de apetite sem receita praticamente. “Não existe e nunca existirá uma pílula mágica”, afirma o médico.

 

Eduardo Valente/ND
Patrícia perdeu 30 kg em oito meses: “Ganhei autoestima”


Mais qualidade de vida

Em um ano após a realização da cirurgia bariátrica, Delio José Guerra, 34, perdeu 50 kg. Mas a cirurgia foi apenas o primeiro passo para mudar uma vida sedentária. “Pesava 156 kg, hoje peso 104. Continuo pesado, mas criei massa muscular e vivo bem”, comemora. Chegar ao corpo desejado não foi uma questão de estética, mas sim de saúde. “Antes não dormia mais direito. Acordava no meio da noite, faltava ar. Ficava indisposto, tinha dificuldades para caminhar. Sem contar a autoestima, a indisposição. Cheguei ao meu limite e vi que precisava mudar”, conta.

Procurar um método saudável de emagrecimento para viver melhor também foi a saída para a vendedora Patrícia Mazurckevitz. Em apenas oito meses, a jovem de 28 anos emagreceu 30 kg sem recorrer a cirurgias ou remédios. Há um ano começou academia para ganhar massa muscular. “Arrumei novo emprego, ganhei autoestima e criei novos hábitos saudáveis. Mudou toda minha rotina”, afirma.

Mas diferente do que muitos imaginam, emagrecer não tornou a vida deles chata. Emagrecer de forma saudável, explica o médico Pedro Rosa, não significa, por exemplo, deixar de comer.

“Aí vem mais a parte do psicológico. Explico aos pacientes que basta comer a coisa certa. Se comer a coisa certa, na hora certa, vai ter resultado, independentemente da quantidade. Muitos simplesmente fecham a boca e fazem mais exercícios, é a pior coisa que se faz. Tem muita gente que vem aqui com lesão, desgaste crônico porque faz errado esse tipo de coisa. Se tu fecha a boca e come menos quando estava sedentário não fecha a conta. Se souber usar melhor as condições de energia que tem na pessoa, ela vai ter mais disposição, dormir melhor, acordar mais disposta, chegar no final do dia e vai para academia com prazer”, explica o profissional.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade