Publicidade
Terça-Feira, 18 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 16º C

Em passagem por Florianópolis, Medina fala sobre fãs e seu novo instituto

Campeão mundial assistiu à irmã, Sophia, na primeira etapa do campeonato Rip Curl Grom Search, na Joaquina

Gustavo Bruning
Florianópolis
30/01/2017 às 09H30

A manhã deste domingo (29) começou nublada na praia da Joaquina, onde ocorreu a primeira etapa do campeonato de surfe Rip Curl Grom Search, para jovens de até 16 anos. Por volta das 11h30, no entanto, o sol apareceu, a tempo da chegada do primeiro brasileiro campeão mundial de surfe, Gabriel Medina, de 23 anos. Vencedor do ASP World Tour, em 2014, o paulista veio à capital catarinense para prestigiar a irmã caçula, Sophia, 11, no torneio.

“É um campeonato muito importante, os melhores do Brasil fazem parte do Rip Curl Grom Search”, afirma Medina, que venceu a etapa nacional aos 11 anos. Durante as competições da 18ª edição, ele destacou o apoio que dá à irmã e a alegria de vê-la seguindo seus passos. “Eu falo para ela se divertir e fazer seu melhor. É difícil competir com pressão”. Sophia foi eliminada na semifinal.

Gabriel Media esteve em Floripa neste domingo - Flávio Tin/ND
Gabriel Medina esteve em Floripa neste domingo - Flávio Tin/ND



Ao fim da primeira etapa, o paulista Roberto Alves ficou em primeiro lugar na categoria grommet, enquanto a carioca Maju Freitas venceu no feminino. A garota superou uma lesão no joelho, que teve na última semana, e conquistou a melhor nota do evento, um 9. Já os catarinenses Léo Casal e Lucas Vicente se deram bem nas categorias iniciante e mirim, respectivamente, e chamaram a atenção de Medina. “O nível tá muito bom. Tem muitos moleques dos quais eu nunca havia ouvido falar, mas pude assistir nessa manhã e me impressionei”.

Em Florianópolis, Medina participou de ações de uma marca de refrigerantes e conversou com a imprensa sobre estar de volta à cidade onde conquistou seu primeiro mundial, aos 15 anos. Depois de fazer história em praias da Austrália, Havaí e França, as boas lembranças do litoral catarinense não se apagaram. “É uma cidade que eu gosto muito, já fui muito feliz aqui”, garante. O campeão cita as praias de Imbituba, Santinho e Mole como suas favoritas. Foi nesta última, aliás, onde ele venceu o Maresia Surf Internacional, em 2009.

“Os fãs são parte da minha vida”

Disputado por fãs e jornalistas, Medina ajudou a personalizar uma prancha e cedeu autógrafos à criançada. Um dos sortudos foi Lucas Cainã Rosário, de 11 anos, que não escondeu a felicidade enquanto segurava o boné assinado por seu ídolo. O pequeno paranaense, que já guarda uma camiseta autografada por Medina, competiu na categoria grommet.

Recém adepto ao esporte, Rosário descobriu o interesse pelas ondas após concluir o tratamente da leucemia, há dois anos. O sonho dele era jogar futebol, mas a recomendação do médico impediu que seguisse tal caminho. Ao lado do pai, Luiz Carlos do Rosário, o garoto participa de campeonatos há pouco mais de um ano. Quando questionado sobre a admiração por Medina, não hesitou: “Gosto dele por que ele é o melhor”.

“Eu nunca esperava que pudesse ser referência para toda essa galera. É uma responsabilidade muito grande”, afirma Medina. O surfista considera a admiração e o apoio dos fãs sua fonte de inspiração, e revela encontrar neles a motivação para fazer cada vez melhor, “seja em uma competição ou em um treino”.

Pensando na próxima geração

O envolvimento de Medina com o aperfeiçoamento de jovens surfistas vai além das palavras. Nesta terça-feira (31), o campeão mundial inaugura o Instituto Gabriel Medina na Praia de Maresias, em São Sebastião (SP), sua cidade natal. O projeto deve treinar 60 jovens, entre 10 e 16 anos, para as práticas do surfe, seguindo a metodologia aplicada pelo padrasto do paulista, Charles Serrano. No contraturno da escola, os aprendizes participarão de aulas de natação e musculação, palestras e atividades educativas.

“Lá na minha comunidade eu sempre gostei de ajudar, seja com uma prancha ou peças de roupa”, conta o surfista. Após ter a ideia do projeto, Medina arcou com todos os custos da construção da sede. "Eu queria ter tido um lugar como esse, onde eu pudesse treinar e me alimentar, no começo da minha carreira. Fico orgulhoso [com esse projeto], essa molecada será muito bem cuidada”, conclui.

Confira entrevista em vídeo com o surfista:

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade