Publicidade
Quinta-Feira, 15 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 20º C

Em Florianópolis, PSOL não apoia candidatos ao 2° turno e sugere voto em branco ou nulo

Partido elegeu três vereadores para a Câmara e ficou em terceiro lugar na corrida à Prefeitura de Florianópolis

Altair Magagnin
Florianópolis
20/10/2016 às 16H11

O PSOL anunciou nesta quinta-feira que não apoiará nenhuma das candidaturas que concorrem em segundo turno à Prefeitura de Florianópolis. A legenda teve Elson Pereira como candidato no primeiro turno, ficando em terceiro lugar, com 51.106 votos. Além da votação expressiva, a sigla comemora ainda a eleição de três vereadores: Marquito, Afrânio Boppré e Renato da Farmácia.

“No segundo turno, o PSOL não se vê representado por nenhuma das duas alternativas apresentadas, portanto não apoiamos e nem indicamos voto, no entanto, reconhecemos o voto branco e nulo como manifestações legítimas e democráticas”, apresentou o partido, por meio de nota.

Elson Pereira é candidato pelo PSOL à Prefeitura de Florianópolis - Marco Santiago/ND
Elson Pereira foi candidato pelo PSOL à Prefeitura de Florianópolis - Marco Santiago/ND



 

Leia a nota oficial na íntegra

"O Partido Socialismo e Liberdade – PSOL – quer, ao mesmo tempo, agradecer e dividir a alegria do resultado obtido na eleição de Florianópolis, em 2016. Nossa candidatura, ELSON 50, foi portadora da esperança: firme e serena, deixou a mensagem de que outra Florianópolis é possível e que é necessário construir aqui a sociedade do bem viver. 

Nossa vitória aconteceu também com a eleição dos companheiros Marquito, Afrânio Boppré e Renato da Farmácia à Câmara de Vereadores, que constituirão, a partir de 2017, a segunda maior bancada do legislativo florianopolitano. Esta vitória política se deu graças à expressiva votação de nossa chapa de Vereadores que contou com o empenho de nossa militância e a indispensável unidade partidária. Hoje o PSOL é reconhecido na cidade como referência do campo democrático popular. 

O debate político da campanha no primeiro turno revelou fortes diferenças programáticas entre as alternativas no tocante à concepção de cidade e de sociedade. O momento atual de Florianópolis aponta que o município vive um impasse histórico com relação ao seu futuro, que está ameaçado. A defesa de nossa qualidade de vida, de nosso patrimônio natural e cultural, do serviço público, do planejamento, da gestão democrática e participativa, bem como de políticas públicas para o bem viver, além da defesa de princípios éticos, precisa ser sistematicamente reafirmada. 

No segundo turno, o PSOL não se vê representado por nenhuma das duas alternativas apresentadas, portanto não apoiamos e nem indicamos voto, no entanto, reconhecemos o voto branco e nulo como manifestações legítimas e democráticas. Sabemos que um dos dois candidatos será prefeito (a) e a consciência livre do eleitor é que deve prevalecer. 

Apoiado pelos 51.106 votos (20,4 % dos eleitores), desde já, o PSOL se define como oposição programática e saberá na luta, ao lado dos movimentos sociais, da cidadania e com nossos mandatos de vereador defender a cidade e atuar também propositivamente na construção de nosso futuro. 

Reiteramos nossos agradecimentos 51.106 vezes.

PSOL Florianópolis"

Publicidade

7 Comentários

Publicidade
Publicidade