Publicidade
Terça-Feira, 13 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 22º C

Dr. Bumbum tem prisão preventiva decretada e mãe é solta

Maria de Fátima, a namorada e a assistente cumprirão medidas cautelares após operação de preenchimento de glúteos causar morte de paciente

Folha de São Paulo
São Paulo (SP)
18/08/2018 às 10H01

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A juíza Viviane Ramos de Faria, da 1ª Vara Criminal da capital fluminense, decretou nesta sexta-feira (17) a prisão preventiva do médico Denis Cesar Barros Furtado, 45, conhecido como Dr. Bumbum. As informações são da Agência Brasil.

O médico e a mãe, Maria de Fátima, foram presos na tarde desta quinta-feira - PMRJ/Divulgação/ND
O médico e a mãe, Maria de Fátima, foram presos temporariamente na tarde de 19 de julho - PMRJ/Divulgação/ND


Ele é acusado de homicídio qualificado pela morte da bancária Lilian Calixto, 46, que foi de Goiânia ao Rio de Janeiro fazer um preenchimento de glúteos e acabou morrendo horas depois, no Hospital Barra D'Or, vítima de embolia pulmonar. Na decisão, a magistrada ressalta a gravidade do caso em que o réu, em sua conduta profissional, não aparentou ter atenção com a saúde de seus clientes.

Viviane afirmou que a prisão preventiva é necessária para evitar que outros crimes sejam cometidos e para garantir a instrução criminal. A juíza destaca a periculosidade do réu e a possibilidade de continuação da prática criminosa e diz que a liberdade dele "perturbaria a ordem e tranquilidade públicas", sendo, por isso, "imperioso" o decreto prisional.

A juíza revogou a prisão temporária da médica Maria de Fátima, mãe de Denis, que foi cassada pelo Conselho Regional de Medicina, e determinou que ela, a namorada do médico, Renata Cirne, e a assistente dele, Rosilene Pereira, cumpram medidas cautelares como não frequentar a clínica onde foi feita a operação de Lilian, não se ausentar do Rio e comparecer mensalmente à vara criminal.

Viviane acrescenta que as medidas cautelares diversas da prisão são necessárias devido à "gravidade das condutas imputadas às rés", que ajudaram o médico, dando suporte para a realização de procedimentos estéticos mediante a aplicação de substância química em quantidade acima do recomendado e em local impróprio, colaborando para o resultado fatal e criando risco à vida de indeterminado número de pessoas.

A denúncia contra o médico, sua mãe, a namorada e uma ajudante dele foi apresentada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro no dia 7 deste mês, pelo crime de homicídio doloso. A morte da bancária Lilian Calixto teve grande repercussão nacional.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade