Publicidade
Quarta-Feira, 21 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 17º C

Dnit homologa empresa que vai construir a 3ª pista da Via Expressa, em Florianópolis

Ordem de serviço e contrato devem ser assinados na próxima semana, com a presença do superintendente do Dnit-SC (Departamento Nacional de Infraestrutura em Transportes), Ronaldo Carioni Barbosa

Redação ND
Florianópolis
19/08/2018 às 19H50

Com o fim do prazo para recursos, a Britagem Vogelsanger, de Joinville, foi homologada na última terça-feira (14) como a empresa vencedora da licitação para a construção da 3ª pista da Via Expressa (BR-282), que é a principal entrada viária de Florianópolis. A ordem de serviço e o contrato devem ser assinados na próxima semana, com a presença do superintendente do Dnit-SC (Departamento Nacional de Infraestrutura em Transportes), Ronaldo Carioni Barbosa. O objetivo é a construção da 3ª pista nos dois sentidos, nos 5,6 quilômetros de São José à Capital, que será destinada exclusivamente aos ônibus do transporte público e aos motociclistas. Prevista para custar R$ 31,1 milhões, a empresa venceu a disputa com a oferta de R$ 26 milhões.

Obra da terceira faixa da Via Expressa deve começar em Setembro  - Daniel Queiroz
Obra de construção da 3ª pista não contempla o projeto de revitalização da rodovia - Daniel Queiroz


A previsão é de que a obra dure 18 meses e os trabalhos serão realizados no período noturno. Um representante da Britagem Vogelsanger, que prefere não ser identificado, informou que a empresa precisa definir os últimos detalhes do projeto com o Dnit. Basicamente, são informações relacionadas ao cronograma da obra. Por onde a construção deve começar, em qual sentido ela deve avançar e outras recomendações dos engenheiros do Dnit.

Inaugurada por completo em 1982, a Via Expressa recebia 25,5 mil veículos por dia. Atualmente, a rodovia federal passou a ter um fluxo diário de 130 mil veículos e, por isso, os congestionamentos acontecem das 7h às 20h. Desde então, a Via Expressa recebeu apenas intervenções paliativas, como parte do acostamento de 600 metros do trecho de São José, que foi transformado em terceira pista nos dois sentidos a pedido da PRF (Polícia Rodoviária Federal).

A obra de construção da 3ª pista não contempla o projeto de revitalização da rodovia, que prevê ciclovia, calçada e a 4ª pista em cada sentido, orçado em R$ 500 milhões. Apesar de ser uma rodovia, a Via Expressa se assemelha mais a uma grande avenida, porque passou a ser o destino de muitos motoristas, com 19 acessos.

Publicidade

2 Comentários

Publicidade
Publicidade