Publicidade
Domingo, 23 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Diretor de "Os Incríveis 2" reage a críticas e diz que filme não é para as crianças

O diretor voltou ao Twitter para dizer que a troca de mensagens não chegou a ser uma polêmica e que "todos se acalmem"

Folha de São Paulo
Brasil
04/07/2018 às 22H16

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O cineasta Brad Bird, diretor da animação "Os Incríveis 2", retrucou no Twitter as críticas de fãs desapontados pelo longa não ser apropriado para crianças pequenas.

Um deles reclamou dos palavrões no filme e disse que não compraria o DVD. Bird respondeu então que o filme não é para as crianças. "É uma animação, com classificação PG", escreveu, em referência à "parental guidance", a classificação do cinema americano que indica material que pode não ser apropriado para crianças menores.

Outro espectador reclamou que a animação foi tediosa para sua filha de quatro anos, que apenas uma semana antes havia adorado o primeiro longa da série. 

Bird respondeu curto e grosso dizendo que a menina provavelmente assistiu ao primeiro filme, lançado em 2004, do conforto de casa e que ele não poderia fazer o filme para se adequar à atenção de uma criança de quatro anos. "Você julga os filmes da Marvel ou da Lucasfilm pelo mesmo parâmetro?", escreveu.

Depois das respostas, o diretor voltou ao Twitter para dizer que a troca de mensagens não chegou a ser uma polêmica e que "todos se acalmem".

"Os Incríveis 2" chegou aos cinemas em 28 de junho. Na trama, mais direcionada a espectadores adultos, a família de super heróis está sem dinheiro, há leis que impedem os heróis de agir no combate ao crime e Violeta está enfrentando todos os problemas que a vida escolar pode proporcionar.

Então, um investidor milionário, Winston, procura os Incríveis oferecendo ótimo salário e um plano de marketing para que eles voltem à ativa. Com a ajuda da irmã Evelyn, uma bambambã da tecnologia, ele quer registrar as ações dos heróis e espalhar tudo pelo mundo virtual, para que todos vejam que eles são bacanas e necessários à sociedade.

O problema é que a estratégia é focada na Mulher-Elástica, que teria maior apelo junto ao público. Ela parte sozinha para as missões, e um desolado e frustrado Sr. Elástico fica com a incumbência de cuidar da casa e dos filhos, o que acabará se revelando tão ou mais perigoso do que enfrentar supervilões.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade