Publicidade
Quarta-Feira, 16 de Janeiro de 2019
Descrição do tempo
  • 32º C
  • 23º C

Dia de praia em Florianópolis na temporada pode chegar a R$ 150 por casal

Elevação dos preços com a chegada dos turistas é ação comum entre comerciantes; fiscalização cabe ao Procon

Redação ND
Florianópolis
09/12/2018 às 21H44

As gaúchas Taís Greseli, 20, e Tainá Liposki, 18, chegaram a Florianópolis por volta das 5h30 da madrugada de quinta-feira. Ao meio dia, e com disposição de enfrentar um dia de praia, estavam na Barra da Lagoa. O almoço, que incluiu no cardápio o tradicional filé de peixe, não saiu por menos de R$ 70 com bebida. Se optassem pelo aluguel de guarda-sol e cadeira, mais o custo da passagem de ônibus, o dia de praia das amigas passaria de R$ 100.

Os dias que antecedem a temporada de verão servem de termômetro para comerciantes. É neste período que os preços começam a ser definidos para os dias de alta temporada, quase sempre com um reajuste para cima, em relação ao praticado no ano anterior.

Praia dos Ingleses é um dos destinos mais procurados na temporada - Marco Santiago/ND
Praia dos Ingleses é um dos destinos mais procurados na temporada - Marco Santiago/ND


Desde o estacionamento ao passeio de barco em família, passando pelo almoço, aluguel de cadeiras, guarda-sol e um sorvete, ou uma caipirinha, o custo de um dia na praia pode ser salgado. Os valores variam de uma praia para outra, mas em média, um casal pode chegar a desembolsar em torno de R$ 150 para passar um dia na orla.
“Os preços não são tão baixos, mas estão acessíveis. Para um almoço na beira da praia era mais ou menos o que imaginávamos”, contou Tais. A dupla de amigas veio preparada para passar pouco mais de uma semana na cidade e pretendem se deslocar por meio de transporte público o quanto for possível.

A reportagem do Notícias do Dia verificou os preços cobrados do turista nesta temporada e comparou os valores cobrados em diferentes praias. O valor do estacionamento, por exemplo, pode varia entre R$ 5, na Lagoa da Conceição, podendo chegar a R$ 15, na Barra da Lagoa. A mesma variação vale para a porção de camarão, que pode custar entre R$ 70 e R$ 120.

E se os preços na beira-mar estão salgados, há opções para quem pretende economizar o máximo. No leste da Ilha é possível encontrar um prato feito por R$ 13. Já no Norte da Ilha, apesar de não ser legalizado, o choripan sai por R$ 10.

“Nós vendemos porque os turistas querem. É uma comida como as outras que são liberadas, preparado com cuidado e higiene. Quando sabem que não está liberado para a venda o pessoal reclama”, contou um vendedor que preferiu não se identificar.

Elevação dos preços na temporada

É comum, após o início da temporada, clientes mais atentos perceberem a elevação dos preços na beira da praia. As principais reclamações ao Procon são na cobrança dos estacionamentos e no preços dos pratos. Mas além dos restaurantes, a partir do próximo dia 12 as praias também passarão a receber o comércio oficial de ambulantes.

A fiscalização do que é vendido na orla dos balneários este ano ganhará um reforço com a contratação de uma empresa terceirizada para atuar com os fiscais da Susp (Secretaria de Serviços Públicos). Já o controle sobre os preços fica a cargo do Procon, que poderá multar estabelecimentos que forem flagrados aumentando preços sem justificativa.

João da Luz, superintendente municipal de Serviços Públicos, diz que neste ano beira as barracas fixas na beira da praia serão substituídas por conteineres. Aém disso, ele informou que não será mais permitida a venda do choripan na areia. “Os ambulantes vão receber os conteineres da empresa Brasil Kirin, que tem contrato com o município e não pagarão nada. A venda de alimentos preparados na praia só poderão ocorrer nas barracas fixas”, afirmou.

Aguardados pelo setor turístico, os estrangeiros, principalmente argentinos e chilenos, devem começar a chegar à cidade nos próximos dias. Para os argentinos, este ano, a matemática na praia pode ser ainda mais apertada. O país atravessa momento de instabilidade econômica, com inflação na casa de 40% e acelerada desvalorização da moeda. Em Canasvieiras, os argentinos representam 60% do público consumidor.

Preço da praia

Filé de peixe: R$ 58 a R$ 107

Anchova grelhada: R$ 65 a R$ 121

Camarão a milanesa: R$ 70 a R$ 120

Cadeira e guarda-sol: R$ 10 a R$ 15

Estacionamento: R$ 5 a R$ 20

Cerveja lata: R$ 5 a R$ 10

Publicidade

6 Comentários

Publicidade
Publicidade