Publicidade
Quinta-Feira, 20 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 23º C
  • 18º C

Desafio do Conhecimento entra na reta final em 164 escolas de Santa Catarina

Competição realizada pela plataforma its instiga criatividade, conhecimento e integração entre os alunos

Felipe Alves
Florianópolis
Daniel Queiroz/ND
Professora Vera Vogel e sua turma com a tarefa do maior caça-palavras

 

A empresa Alegrolândia é a chave para a felicidade no colégio Senai de São José. No Cruz e Sousa, também em São José, a equação da educação é dada pela fórmula “sucesso = [(disciplina+criatividade)²+(persistência-desisteresse)³].dedicação”. Os exemplos anteriores são alguns dos resultados das tarefas de 164 escolas de Santa Catarina que participam do Desafio do Conhecimento, concurso realizado pela plataforma its, com promoção do Grupo RIC, e que está na reta final.

Oito tarefas compõem a competição, além de uma bônus. O objetivo é desenvolver uma série de habilidades e promover a busca pelo conhecimento, com a utilização de recursos tecnológicos, integração dos alunos e produção de conteúdos de uma forma divertida, mas também de aprendizado. Cada escola tem um QG formado por 12 alunos, que são responsáveis por coordenar as tarefas com o educador campeão, o professor que os orienta durante a competição. Os desafios das tarefas são variados, mas têm como foco o tema “todos por um planeta melhor”.

No colégio Cruz e Sousa o engajamento de toda a escola tem sido um diferencial para os alunos de São José. Apesar de o QG ser formado apenas por alunos de 1º ano ao terceirão, praticamente todos os alunos estão envolvidos, além dos professores, coordenadores e até a faxineira já foi capa de uma revista para um desafio. São cerca de 300 pessoas envolvidas. “Os recursos tecnológicos foram fundamentais para nos comunicarmos, pois fazemos muitas tarefas fora dos horários das aulas e eu os oriento pelo Facebook, WhatsApp e usamos até Instagram”, disse a professora de história da arte e espanhol, Vera Vogel, que é a educadora campeã do Cruz e Sousa.

Para os alunos, além da interação com os colegas e a diversão dos desafios, a competição ajuda a entender questões como o mercado de trabalho e a lidar com assuntos que geralmente não estão em pauta nos colégios. “Durante todo o processo um foi ajudando o outro e usamos vários espaços da escola, como a biblioteca, laboratórios e a sala de informática para gravar vídeos e pensar nas tarefas”, comentou a estudante Amanda Kretzer, 17 anos.

 

Criatividade para produção de conteúdo

União e criatividade são essenciais para realizar as tarefas do Desafio do Conhecimento, que tratam de temas como sustentabilidade, educação, indústria, empreendedorismo, tecnologia e mercado de trabalho. O professor de animação e computação gráfica do Senai São José, André Brandão, 32, é o educador campeão da escola. Ele trabalha diariamente com criação, mas ficou surpreso com a capacidade de criatividade dos alunos. “Eles têm ideias muito criativas e de forma muito rápida. Ajudo na orientação das tarefas, mas eles fazem praticamente tudo sozinhos”, explica.
Nesta semana eles estão trabalhando na sexta tarefa, a indústria da felicidade, que tem como objetivo criar uma empresa em que o produto seja exatamente a felicidade. Para isso, eles criaram a Alegrolândia, uma empresa que distribuiria felicidade aos países que carecem de mais alegria. De forma imaginária, “sorrisômetros” seriam espalhados pela cidade e, cada vez que alguém sorrisse, o equipamento seria alimentado, gerando um elixir de felicidade que seria distribuído aos mais “infelizes”.
Para organizar as ideias, cada um tem uma função específica na empresa: presidente, diretor de marketing, administrador, entre outros. “É a partir de iniciativas como essa que você vai descobrindo talentos, vendo onde certo aluno tem mais aptidão”, afirma o professor.

As tarefas

- Its_Cool_Senai – com a hashtag #ItsCoolSenai, os alunos publicaram no Instagram fotos de coisas, lugares, ideias e pessoas legais que mereceram ser compartilhadas. Depois, criaram uma revista com as melhores fotos.

- O maior caça-palavras – as equipes tiveram que construir um grande caça-palavras incluindo a maior quantidade de indústrias catarinenses.

- Palavras soltas – as equipes desenvolveram um texto apenas com nomes de cidades catarinenses e indústrias do Estado.Para isso, era preciso abusar da criatividade sem esquecer das normas da ABNT.

- Ambientes inteligentes, pessoas mais conectadas – o objetivo era desenvolver um protótipo de um aplicativo mobile que proporcionasse ambientes mais inteligentes para um planeta melhor.

- A equação da educação – com criatividade os alunos deveriam propor uma equação que revolucionasse a experiência do aprendizado. Com a questão respondida, eles desenvolveram uma peça publicitária que representasse a solução para a equação.

- A indústria da felicidade – o objetivo era criar uma empresa em que o produto e o negócio focassem a felicidade. Para isso, era preciso desenvolver os elementos norteadores, como missão, visão e valores, além de montar o organograma da empresa.

- Tarefa bônus: selfie das selfies – o desafio era tirar uma foto com um diretor de uma grande indústria da região e aproveitar a ocasião para fazer uma entrevista com o empresário.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade