Publicidade
Sexta-Feira, 16 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 19º C

Deinfra coloca pedras na cabeceira da ponte para evitar permanência de pessoas no local

Determinação do Ministério Público de Santa Catarina é para evitar a permanência de pessoas em situação de rua sob as marquises

Michael Gonçalves
Florianópolis
27/12/2017 às 09H44

Para evitar a permanência de pessoas em situação de rua sob as marquises das cabeceiras insular das pontes Pedro Ivo Campos e Colombo Salles, em Florianópolis, o Deinfra (Departamento Estadual de Infraestrutura) colocou pedras ao lado das estruturas. A determinação foi do MP-SC (Ministério Público de Santa Catarina), por meio do promotor Daniel Paladino, que coordena o Grupo Permanente em Defesa as Pessoas em Situação de Rua na Capital. As pedras despejadas recordam uma imagem lunar.

Pedras foram colocadas sob as marquises da cabeceiras insular das pontes que ligam a Ilha ao Continente - Marco Santiago/ND
Pedras foram colocadas sob as marquises da cabeceiras insular das pontes que ligam a Ilha ao Continente - Marco Santiago/ND


Protegidos do vento e da chuva, as pessoas em situação de rua procuravam abrigo sob as pontes pela proximidade com o Terminal Rodoviário Rita Maria e o Centro. “Durante a última visita às pontes, com o médico da prefeitura, constatamos que o local é nocivo à saúde, principalmente por estar ao lado da rodoviária”, explicou o promotor.

O Grupo Permanente em Defesa as Pessoas em Situação de Rua foi criado em abril deste ano para angariar informações e discutir ações que possam contribuir e fortalecer as iniciativas de outros fóruns e comitês intersetoriais instituídos para defender os direitos dessa população. Desde então, o grupo se reúne duas vezes por semana para as denominadas limpezas sanitárias no Centro e bairros de Florianópolis.

O objetivo é higienizar os locais onde se instalam os moradores de rua e orientá-los quanto às boas práticas de higiene pessoal e saúde, bem como instruí-los para o correto descarte de resíduos, o lixo produzido por meio de consumo diverso, principalmente o de alimentos. “Já tivemos incêndio sob a ponte e como a região é uma área de segurança, acreditamos que a colocação de pedras vai garantir a segurança das pessoas em situação de rua e dos usuários das pontes”, esclareceu Paladino.

O superintendente do Deinfra na Grande Florianópolis, engenheiro Cléo Quaresma, não soube informar se haverá outros encaminhamentos. “Estamos cumprindo uma decisão do MP-SC, mas esteticamente ficou muito ruim. É uma imagem lunar”, afirmou.

Publicidade

5 Comentários

Publicidade
Publicidade