Publicidade
Sábado, 17 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 21º C

Creche no Maciço do Morro da Cruz busca parceiros para não fechar as portas

Entidade conta atualmente com 47 crianças, a maioria de comunidades do Maciço do Morro da Cruz. Em 2014 eram 126 meninos e meninas atendidos

Redação ND
Florianópolis

Há 12 anos atendendo crianças de escolas públicas no contraturno escolar, principalmente moradoras do Maciço do Morro da Cruz, o Instituto Engevix está à procura de novos parceiros para não fechar as portas. O instituto foi criado em 2004 e é credenciado como uma Oscip (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) para a realização de projetos como oficinas, rodas de conversa e atendimentos médicos. Desde sua fundação, já amparou mais de 1.300 crianças em situação vulnerável. 

Até 2014, a entidade atendia 126 crianças de seis a 15 anos com aulas de capoeira, música, artes, informática, apoio pedagógico, odontológico e psicológico. Com direito a café, almoço ou jantar, as crianças passam o contraturno escolar na sede do instituto, na rua Major Costa, no Centro. Com o corte de verbas, a entidade demitiu funcionários e passou a atender 60 crianças de seis a 12 anos. Mas, hoje, são 47 crianças atendidas. Algumas foram deslocadas para uma entidade parceira, a Fundação Vidal Ramos.

 

Instituto Engevix/Divulgação/ND
Até 2014, a entidade atendia 126 crianças de seis a 15 anos 

 

A Engevix repassou, em julho de 2015, a gestão do instituto à Statkraft, mas com corte de orçamento. Segundo Simone Fraga Antunes, coordenadora geral do instituto, em maio deste ano a Statkraft anunciou que não iria mais fazer o repasse mensal de R$ 60 mil, inviabilizando a continuidade do projeto. “O último repasse foi feito para julho, já tentamos contatos com mais de 15 entidades públicas e privadas, mas não conseguimos nenhuma parceria. Junho e julho são meses inviáveis para achar parceiros, pois os convênios geralmente são fechados no ano anterior”, disse.

A expectativa agora é, até a última semana de julho, ter algum retorno positivo de empresas que queiram ajudar a manter a instituição. Quem quiser ajudar pode entrar em contato pelos telefones 3225-2044, 3228-1065 ou pelo e-mail salveoinstituto@prese.org.br.

 

Sem verbas e com menos funcionários

A carta de devolução da sede da instituição, que é alugada, já foi entregue e a equipe tem até o fim do mês para tentar reverter a situação. “Estamos correndo contra o tempo. Estou aqui desde o início da entidade. Não tem como calcular a perda para a comunidade de fechar a instituição. Sem falar no efeito cascata de problemas para as famílias destas crianças, que trabalham e não terão onde deixar os filhos. Voltam à vulnerabilidade e ao risco social”, avaliou Simone Fraga Antunes.

Do ano passado para cá, equipe que atende as crianças no Instituto Engevix foi reduzida por conta do corte de verbas. Saíram fonoaudiólogos, assistente social e o professor de informática. “Tivemos que reduzir colaboradores para poder manter o padrão de qualidade com as oficinas que sempre prestamos e remanejar os esquemas de horários”, explicou.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade