Publicidade
Segunda-Feira, 24 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 19º C

Corpo de José Alencar é cremado em Minas Gerais

Família participa de cerimônia, após velório em Belo Horizonte acompanhado por mais de 4.000 pessoas

Redação ND
Florianópolis

Fotos Antônio Cruz/ABR/ND
Presidente Dilma e ex-presidente Lula no velório do Palácio da Liberdade, em BH

O velório do vice-presidente José Alencar, que morreu na terça-feira, foi visitado por mais de 4.000 pessoas no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte, segundo dados da Polícia Militar de Minas Gerais fechado após o fim da cerimônia.

 

O corpo do vice-presidente já foi cremado no Cemitério Parque Renascer, em Contagem (MG). No local, houve uma salva de 21 tiros de artilharia em homenagem ao político. A família assistiu a uma cerimônia privada no local.

 

No velório no Palácio do Planalto, em Brasília, o público foi de 8.100 pessoas, de acordo com o último balanço da Presidência da República.

 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou hoje que Alencar foi muito mais que um vice-presidente da República.  "Ele foi muito mais que um vice, era mais forte que eu", disse Lula durante o velório de Alencar no Palácio da Liberdade, sede do governo mineiro.

 

Além de Lula, estiveram presentes no velório em Minas a presidente Dilma Rousseff, o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), o senador tucano Aécio Neves, o ex-presidente Itamar Franco (PPS), entre outros.

 

Antes de chegar ao palácio, o corpo percorreu as avenidas Antonio Carlos, Afonso Pena e João Pinheiro, em Belo Horizonte, por cerca de 15 km e a cidade parou para acompanhar o cortejo. Na prefeitura, as bandeiras estão hasteadas a meio mastro em sinal de luto.

 

Na Base Aérea de Minas, o corpo de Alencar recebeu honras militares e foi conduzido até o palácio em uma viatura histórica, modelo de 1959, utilizada em eventos especiais, como o velório do ex-presidente Tancredo Neves, em 1985. No Palácio da Liberdade, ele foi recepcionado com honras militares.

 

Na quarta-feira, Lula e Dilma chegaram em Brasília juntos, a bordo do avião presidencial. A presidente tinha ido a Portugal acompanhar a entrega a Lula do título de doutor honoris causa pela Universidade de Coimbra.

 

Alencar morreu na terça-feira, aos 79 anos, vítima de câncer diagnosticado há mais de 10 anos, que o fez submeter-se a 17 cirurgias e tratamentos experimentias, até no exterior. Sua luta contra a doença foi pública e acompanhada pelo público, que considerava o ex-vice-presidente um exemplo.

 

Cortejo deixa palácio do governo mineiro rumo ao crematório em Contagem (MG)

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade