Publicidade
Sexta-Feira, 16 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 19º C

Coronel amigo de Temer alega problemas psicológicos ao se negar a depor

João Baptista Lima, preso nesta quinta, apresentou pelo menos três atestados médicos nos últimos oito meses para dizer que não tinha condições de prestar depoimento na Polícia Federal

Folha de São Paulo
São Paulo (SP)
30/03/2018 às 19H55

JOELMIR TAVARES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O coronel João Baptista Lima, preso pela PF (Polícia Federal) nesta quinta-feira (29), se recusou a prestar depoimento nesta sexta (29), alegando problemas físicos e psicológicos. "Em decorrência do quadro de saúde que ele mantém e da própria circunstância de estar aqui hoje acautelado, ele não revelou condições psicológicas e físicas de prestar seu depoimento", afirmou o advogado Cristiano Benzota, que representa o coronel.

Ao ser preso, Lima passou mal e foi encaminhado para o hospital Albert Einstein. O depoimento dele estava previsto para a tarde desta sexta (30). Uma nova data será marcada, segundo o advogado.

Lima "nega veementemente todas as imputações que lhe são feitas", afirmou Benzota. O coronel foi detido na Operação Skala, que apura um esquema de propinas envolvendo o setor portuário e que implica o entorno do presidente Michel Temer.

Pela manhã, a mulher do coronel da reserva, Maria Rita Fratezi, esteve na superintendência da PF em São Paulo, onde o marido está preso, para ser ouvida. Ela também é investigada no caso e foi intimada para o depoimento pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Benzota, que também a defende, não explicou se ela respondeu às perguntas dos investigadores, mas disse que ela nega as acusações e não tem participação na gestão da PDA, envolvida na apuração. "Por essa razão, ela não tem como dar maiores explicações acerca dos fatos", disse ele.

Como a reportagem publicou em fevereiro, o coronel conseguiu adiar, ao longo de oito meses, as tentativas da Polícia Federal de ouvi-lo no inquérito que apura supostas irregularidades em decreto do setor portuário. Ele apresentou pelo menos três atestados médicos para dizer que não tinha condições de ir à PF para prestar depoimento.

Publicidade

2 Comentários

Publicidade
Publicidade