Publicidade
Quarta-Feira, 26 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 19º C

Conselho reivindica solução urgente para transporte coletivo na Grande Florianópolis

Projeto do novo Sistema de Transporte Metropolitano depende de aprovação de lei na Assembleia. Entidade enviou carta ao governador Eduardo Pinho Moreira (MDB) cobrando soluções

Everton Palaoro
São José
31/07/2018 às 12H04

O COMDES (Conselho Metropolitano para o Desenvolvimento da Grande Florianópolis) solicitou, por meio de carta ao governador Eduardo Pinho Moreira (MDB), uma solução urgente para o transporte coletivo da Região Metropolitana da Grande Florianópolis. O conselho informou que reconhece o esforço de oito cidades da região, e das secretarias de Estado de Planejamento e de Infraestrutura na implantação do novo sistema. Contudo, os integrantes do COMDES estão sem perspectivas de uma solução, já que as medidas esbarram em alterações da legislação estadual.

Estudo aponta que 150 mil pessoas utilizem ônibus diariamente na região - Flávio Tin/ND
Estudo aponta que 150 mil pessoas utilizem ônibus diariamente na região - Flávio Tin/ND


O conselho utiliza levantamento de 2015 da FIRJAN (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro) para sensibilizar o governador. O estudo mostra que os prejuízos na Região Metropolitana da Grande Florianópolis por conta do tempo gasto no trânsito chegam a 2,4% do PIB da região, equivalente a R$ 631 milhões por ano, sendo que grande parte do problema reside na precariedade do sistema de transporte coletivo.

Outro dado apresentado, retirado do PLAMUS (Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis), mostra que os moradores levam em média 1,5 hora para realizar o trajeto casa-trabalho por ônibus diariamente, impactando no bem-estar da população. São mais de 150 mil passageiros por dia na área continental que sofrem com problemas como as condições precárias dos ônibus até a inexistência de integração tarifária e de informações sobre o sistema, somadas às 240 mil pessoas que utilizam veículos particulares.

A pressão das entidades ocorre dias após o MPSC (Ministério Público de Santa Catarina) obter liminar para obrigar o Conselho Estadual de Transportes e o DETER (Departamento Estadual de Transportes e Terminais) a cumprirem a lei e licitar as linhas de ônibus intermunicipais operadas irregularmente sem licitação por 85 empresas com contratos de concessão vencidos.

A ação de obrigação de fazer foi ajuizada pela Promotora de Justiça Darci Blatt, titular da 26ª Promotoria de Justiça da Capital. A medida liminar, concedida pela 1ª vara da Fazenda Pública da Comarca da Capital, determinando que, no prazo de seis meses, seja concluído o projeto básico de todo o sistema de transporte de passageiros intermunicipal do Estado que norteará o edital de licitação. Após esse perído, o prazo para lançar a licitação é de até 90 dias.

Publicidade

6 Comentários

Publicidade
Publicidade