Publicidade
Quarta-Feira, 26 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 19º C

Com chuva intermitente, buracos são armadilhas em ruas e rodovias na Grande Florianópolis

Em pontos como a Via Expressa e em ruas do Centro da Capital, motoristas precisam de atenção redobrada

Elaine Stepanski
Florianópolis

A chuva intermitente que castiga diversas regiões do Estado desde quinta-feira, tem provocado estragos também em ruas e rodovias. Na Grande Florianópolis, motoristas precisam redobrar a atenção com os buracos que abrem por causa da chuva, em locais como a Via Expressa, SC-401 e ruas do Centro da Capital. Em alguns pontos, a água acumulada esconde as depressões das vias, que se transformam em armadilhas. Além do risco de acidentes, os buracos acabam provocando danos materiais.

Bruno Ropelato/ND
Vias de acesso e saída do Terminal Rodoviário Rita Maria estão esburacadas


É o caso da vigilante Lindsey Guimarães Telles, 32 anos, que após sair da faculdade na noite de sexta-feira se acidentou no Centro de Florianópolis. A motociclista caiu em uma cavidade na rua Nereu Ramos, e precisou ser hospitalizada. “A roda da moto entrou no buraco. Como tinha um carro na frente eu não vi o buraco. Acordei com duas pessoas em cima de mim, estava desmaiada”, contou. Até a tarde de ontem, o buraco não estava sinalizado.

Os prejuízos materiais não foram muito relevantes, mas Lindsey lamenta que as ruas da Capital estejam neste estado. “Seja com chuva ou sem chuva, as ruas e estradas têm muito buracos. É lamentável e uma falta de respeito para motoristas e pedestres”, disse a motociclista, que registrou um boletim de ocorrência.

Outro ponto bastante esburacado na Capital é o Terminal Rodoviário Rita Maria. Motoristas que trafegam por ali, nas vias de acesso e saída, precisam redobrar a atenção.

Na Via Expressa, quem transitava ontem em direção à Ilha contabilizava inúmeros buracos em toda a rodovia. Situação comum também no bairro Abraão, na região continental de Florianópolis, e no Kobrasol, em São José.

Para o morador de Biguaçu, Josiel Muniz de Souza, 35, a qualidade do asfalto é ruim. “Seja em dias de sol ou de chuva, os buracos são constantes. Nota-se que o asfalto não é de qualidade. Pagamos diversos impostos, assim como pedágio, e não vemos um retorno disso. Não há manutenção, e temos muitos remendos nas estradas”, reclamou.

 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade