Publicidade
Terça-Feira, 20 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 16º C

Cinco candidatos ao governo de SC apresentam propostas em debate da Acaert

Carlos Moisés (PSL), Décio Lima (PT), Gelson Merisio (PSD), Leonel Camasão (PSOL) e Mauro Mariani (MDB) se reuniram nesta sexta em Florianópolis

Redação ND
FLORIANOPOLIS
24/08/2018 às 23H05

Em debate promovido pela Acaert (Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão) na manhã de sexta-feira, cinco candidatos ao governo de Santa Catarina apresentaram suas propostas. Participaram do encontro Carlos Moisés (PSL), Décio Lima (PT), Gelson Merisio (PSD), Leonel Camasão (PSOL) e Mauro Mariani (MDB). Foram convidados os seis políticos que têm representação mínima de cinco deputados na Câmara Federal, mas o candidato Jessé Pereira (Patri) chegou atrasado e não participou do debate. Por mais de duas horas, os cinco candidatos debateram sobre diversos temas.

Para Mauro Mariani, a educação é um dos maiores desafios do Estado neste momento. Ele defende a concentração de esforços sobre o ensino médio. “Temos que fazer um grande mutirão para trazer as crianças de volta para a sala de aula. Gerar oportunidade para que elas possam encontrar um caminho no futuro e colocar à disposição delas tecnologia de ponta, valorizando o professor”, afirma.

Questionado sobre a possibilidade de privatizar empresas públicas do Estado, como a Celesc ou a Casan, Leonel Camasão disse que essa não é uma pauta de seu projeto de governo. “De maneira nenhuma passa pela minha cabeça privatizar nenhuma estatal de Santa Catarina. Celesc teve lucro no ano passado de R$ 170 mi. SC Gás e Casan tiveram lucro também. Por que o Estado vai privatizar aquilo que dá lucro?”, questionou.

Gelson Merisio considerou a segurança o mais relevante desafio do Estado no momento. “É possível reconvocar da reserva 5 mil policiais, ter concursos públicos, repor as aposentadorias. É preciso um envolvimento efetivo da sociedade, do Ministério Público, dos juízes, do prefeito, para que possamos juntos enfrentar firmemente o crime organizado”, defendeu.

A extinção das ADRs será feita logo no primeiro dia de governo caso seja eleito, afirmou Décio Lima. “Infelizmente o processo de descentralização que Santa Catarina estabeleceu se transformou numa aglutinação daquilo que há de mais perverso na política, que são os interesses fisiológicos. As agências viraram subdiretórios de partidos”, destacou.

Ao falar sobre a saúde, Comandante Moisés afirmou que investirá em saúde integral, valorizando o profissional de saúde e melhorando a comunicação entre as redes municipal e estadual. “Nós entendemos que quando se aplica investimentos em prevenção, principalmente na saúde básica do cidadão, nós teremos condição de diminuir o sofrimento nas filas de espera, a morbidade, e os recursos públicos para o atendimento nas unidades hospitalares”, disse ele.  

Debate Acaert candidatos ao governo de SC - Daniel Queiroz/ND
Debate Acaert candidatos ao governo de SC - Daniel Queiroz/ND



Confira frases do debate

Décio Lima (PT)

“O grande patrimônio que o povo catarinense tem é poder decidir neste instante o seu próprio futuro, de um Estado que possa promover a melhoria da qualidade de vida, um Estado que dê saúde para o seu povo, oportunidades de empregos, educação, e um Estado que possa ser palco de segurança. É preciso refletir. Quem representa, neste momento, a renovação somos nós”.

 

Leonel Camasão (PSOL)

“Além de propor nós também temos que mostrar o que está errado no Estado e é este o nosso papel neste debate e nestas eleições. Acreditamos que quem se sente sem opção ou não sabe em quem votar, pode votar nos candidatos do PSOL e do PCB. É preciso a mudança. E a mudança nessas eleições é Camasão”.

 

Gelson Merisio (PSD)

“(Vamos propor a) extinção das regionais e o rompimento do modelo político vigente até aqui. Com a economia desses recursos, poderemos contratar mais 5 mil policiais, vamos exonerar 1.200 cargos comissionados, e investir pesado em saúde, de forma a zerarmos as filas, priorizar as obras de estruturas que permitam o Estado continuar crescendo, gerando empregos e desenvolvimento”.

 

Mauro Mariani (MDB)

“Construímos a nossa trajetória na luta, fazendo aquilo que tem que ser feito, entregando resultado para a população. Nos sentimos preparados para esse desafio. Nos sentimos prontos para trazer para a gestão pública a excelência da sociedade catarinense, focado na entrega de resultado para o cidadão”.

 

Comandante Moisés (PSL)

“Não há uma meia mudança. A mudança tem que ser de verdade. Queremos atender todo Estado de forma igualitária. Temos projetos para mudar a transparência desse Estado, para que o eleitor possa ver o Estado por dentro, de forma a trazer a integridade e a gestão pública, que também é um dos muitos males que a sociedade carrega hoje”.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade