Publicidade
Sexta-Feira, 21 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 17º C

Chefe de gabinete da UFSC assume processos administrativos da Corregedoria-Geral

Áureo Moraes, que chegou a afastar o corregedor temporariamente e teve seu ato anulado pela reitora em exercício, ficará com a tarefa de analisar processos correcionais

Fábio Bispo
Florianópolis
15/11/2017 às 10H21

O afastamento por motivos de saúde do corregedor-geral da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), Rodolfo Hickel do Prado, por 61 dias, fez com que todos os processos que tramitavam naquele setor fossem transferidos temporariamente para o chefe de gabinete Áureo Moraes, que retornou ao cargo na semana passada.

Moraes chegou a afastar o corregedor por meio de portaria no dia 20 de outubro, mas pediu exoneração depois que a reitora em exercício, Alacoque Erdmann, anulou o ato. Dez dias depois, Alacoque pediu afastamento também por motivos de saúde por 60 dias.

Aureo Moraes com a reitora pediu o desligamento do cargo de chefe de gabinete - Daniel Queiroz/ ND
Aureo Moraes com a reitora pediu o desligamento do cargo de chefe de gabinete - Daniel Queiroz/ ND

>> Chefe de gabinete afastou corregedor-geral, mas teve ato anulado pela reitora em exercício

Na semana passada, após o Conselho Universitário escolher o professor Ubaldo César Balthazar para assumir a reitoria pró tempore até novas eleições, com prazo até abril de 2018, toda a equipe de pró-reitores e secretários que também tinham colocado seus cargos à disposição por discordarem da anulação do afastamento do corregedor retornaram aos postos. Balthazar já ocupava o cargo de reitor interinamente por conta do afastamento de Alacoque.

Prado é peça central nos acontecimentos mais recentes da universidade. Foi ele quem instaurou o processo administrativo que investiga o desvio de bolsas de estudos do programa de EaD (Ensino a Distância), no qual apontou interferência do então reitor Luiz Carlos Cancellier de Olivo. A investigação serviu como base para o inquérito da Polícia Federal, que no dia 14 de setembro expediu mandado de prisão temporária contra Cancellier e outros seis professores e servidores da universidade.

>> Escolhido como reitor pro tempore, Balthazar chama pró-reitores e secretários para reassumirem

A informação sobre o novo regime de tramitação dos processos administrativos veio do próprio chefe de gabinete: “As questões disciplinares e correcionais ficam sob prerrogativa da chefia de gabinete. Ou seja: o trabalho da corregedoria continua ‘sob nova direção’”. O caso dos desvios das bolsas dos cursos de EaD foi avocado pela CGU (Corregedoria-Geral da União) e está sendo analisado em Brasília.

Publicidade

1 Comentário

Publicidade
Publicidade