Publicidade
Quarta-Feira, 14 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 30º C
  • 22º C

Cerca de 20 pinguins são encontrados mortos em praias do Norte da Ilha nesta segunda-feira

Os animais tiveram os corpos recolhidos por uma ONG, que realizará a autópsia e determinará as causas das mortes

Paulo Clóvis Schmitz
Florianópolis
23/07/2018 às 22H30

Numa semana em que baleias e golfinhos foram avistados em diferentes pontos do litoral catarinense, a notícia triste foi a morte de cerca de 20 pinguins, que apareceram boiando entre as praias da Cachoeira do Bom Jesus e Ponta das Canas, no Norte da Ilha de Santa Catarina, nesta segunda-feira (23). A Polícia Militar Ambiental informou que eles foram recolhidos na manhã de segunda pela ONG R3 Animal – Projeto de Monitoramento de Praias, que trabalha no resgate, reabilitação e reintrodução de animais em seu habitat. Os pinguins foram levados para o Cetas (Centro de Triagem de Animais Silvestres), no Parque Estadual do Rio Vermelho, e passarão por autópsia para que se conheçam as causas das mortes. A R3 Animal não quis se manifestar antes de realizar a autópsia e emitir os laudos.

Pinguins apareceram boiando no Norte da Ilha nesta segunda-feira - Divulgação/ND
Pinguins apareceram boiando no Norte da Ilha nesta segunda-feira - Divulgação/ND


Mesmo sem terem visto os animais trazidos pelas ondas, durante a tarde, alguns pescadores da Cachoeira e de Ponta das Canas disseram que encontraram centenas de pinguins nadando ao largo da costa. “Da Lagoinha para fora, perto da praia Mole, dos Ingleses e das ilhas do Arvoredo e Moleques, vi muitos deles nos últimos dias”, afirma Ivan Silva, que tem barco de pesca no Norte da Ilha.

Ele chegou a ver um animal boiando cerca de 600 metros mar adentro, na altura da Lagoinha do Norte, mas não relaciona o fato com as mortes registradas ontem. O pescador desconfia que os pinguins podem ter sido vítimas de redes ou da poluição provocada por escunas que soltam óleo enquanto ficam fundeadas perto da praia, em Ponta das Canas.

“Nessa época do ano os peixes maiores, como a anchova e o peixe-espada, que são predadores, vêm atrás da manjuva no litoral catarinense”, informa o pescador. Barcos de grande porte seguem esses cardumes e podem machucar animais marinhos como os pinguins.

Ivan também já viu tartarugas e leões-marinhos em estado de decomposição no mar aberto, e acha que muitas vezes as mortes decorrem de causas naturais. Ele próprio socorreu uma gaivota ferida na praia da Cachoeira e a levou para a Polícia Ambiental no Rio Vermelho, onde os animais são reabilitados e devolvidos ao seu ambiente natural.

>> Final de semana é marcado pela intensa visita de baleias ao Litoral de Santa Catarina

Mais de 80 pássaros serão soltos

No Parque Estadual do Rio Vermelho, também na segunda-feira, mais de 80 pássaros – tucanos, papagaios e tirivas – aguardavam o transporte para Rio do Sul, onde serão libertados numa área de soltura que a Polícia Ambiental considera ideal para a reintrodução na natureza. Turistas que passaram o dia no parque, localizado junto à Lagoa da Conceição, próximo ao Rio Vermelho, foram atraídos pelo ruído e pelo colorido dos pássaros, e fizeram muitas fotografias quando a carroceria do veículo onde estavam foi aberta pelos policiais.

Golfinhos e baleias viram atrações

Na tarde de domingo (22), um grande grupo de golfinhos chamou atenção de quem passou pela Barra da Lagoa, em Florianópolis. Os animais estavam nadando pela costa e as condições do mar e do vento possibilitaram que fossem vistos da praia. Segundo uma ONG da Capital, a espécie mais comum na Ilha é o boto da tainha, que habita a região e costuma nadar em grupos, próximo à costa.

De acordo com Felipe Rocha, proprietário de um hostel no bairro que registrou a visita dos animais, é comum observá-los na região ao longo do ano. “Quando vou surfar, sempre vejo alguns. Eles estão sempre por aqui, mas esse grupo era bem grande”, comentou.

Também as baleias começam a ser vistas com mais frequência no litoral catarinense. Pelo menos 55 avistamentos foram registrados nos últimos dias em cidades como Laguna, Imbituba e Garopaba. Elas buscam águas mais quentes para ganhar e amamentar os filhotes e se transformam em mais um atrativo para os turistas que visitam o Estado nesta época do ano.

Publicidade

1 Comentário

Publicidade
Publicidade