Publicidade
Terça-Feira, 22 de Janeiro de 2019
Descrição do tempo
  • 31º C
  • 23º C

Casos confirmados de dengue quadruplicam em Santa Catarina

Número de focos do mosquito Aedes aegypti também subiu 37,4% no Estado

Andréa da Luz
Florianópolis
15/01/2019 às 17H00

Santa Catarina teve 60 casos de dengue confirmados no período entre 31 de dezembro de 2017 e 29 de dezembro de 2018, segundo boletim divulgado nesta sexta-feira (4) pela Dive (Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina). No mesmo período, em 2017, haviam sido confirmados 16 casos da doença. O número de casos aumentou 3,75 vezes, ou seja, quase quadruplicou em um ano.

mosquito da dengue - Ministério da Saúde/Divulgação
mosquito da dengue - Ministério da Saúde/Divulgação


Além disso, os focos do mosquito Aedes aegypti - transmissor da dengue, da febre chikungunya e do zika vírus (que causa microcefalia em bebês), também aumentaram 37,4% no período, quando foram identificados 15.886 focos do mosquito em 164 municípios catarinenses. No ano anterior, foram 11.566 focos em 144 cidades do Estado.

Segundo o gerente de Vigilância de Zoonoses de Santa Catarina, João Augusto Fuck, são vários os motivos para esse aumento. Entre as razões estão o clima que não tem apresentado invernos rigorosos que matariam o mosquito, o aumento no número de municípios infestados e a falta de entendimento da população de que é preciso eliminar os recipientes que podem acumular água a céu aberto porque eles favorecem a proliferação dos mosquitos.

“A fêmea do mosquito vive cerca de um mês, mas pode colocar de 300 a 400 ovos. O uso de inseticida pode até matar o mosquito adulto, mas não tem eficácia contra os ovos e larvas, por isso a ação mais importante ainda é eliminar os locais com água parada que vão reduzir os focos do Aedes aegypti”, explica Fuck.

O gerente lembra que com o aumento do número de turistas no Estado durante a temporada de verão o número de casos das três doenças pode aumentar. “Aqui não houve muitos casos de chikungunya ou zika, mas eles vêm aumentando em outros estados então é possível que haja transmissão se algum turista infectado vier para algum município onde haja infestação do mosquito em Santa Catarina”, alerta.

Para evitar isso, é preciso redobrar os cuidados com a limpeza de áreas externas e locais que possam acumular água. “Essa limpeza e verificação deve ser feita semanalmente”, diz Fuck.

Municípios infestados aumentam 20%

Dos 164 municípios onde foi detectada a presença do mosquito, 76 são considerados infestados, pois apresentam uma presença disseminada do mosquito nos seus territórios. Esse número também aumentou: de 63 para 76 cidades, de um ano para outro, ou 20,6%.

Entre as 76 cidades consideradas infestadas pelo Aedes aegypti, estão Florianópolis, Palhoça e São José, na Grande Florianópolis; e Itapema, Balneário Camboriú e Camboriú, no Litoral Norte, onde inclusive foram registrados os maiores números de casos de transmissão da dengue.

Dengue, chikungunya e zika vírus

O relatório divulgado pela Dive apresenta ainda a situação epidemiológica de dengue, febre de chikungunya e zika vírus.

De 31 de dezembro de 2017 a 29 de dezembro de 2018, foram notificados 1.779 casos de dengue em Santa Catarina. Desses, 60 foram confirmados, 105 estão inconclusivos, 137 estão sendo investigados pelos municípios, e os demais foram negativos.

Dos 60 casos confirmados, 44 são autóctones (transmissão dentro do estado): 25 são residentes no município de Itapema, 13 em Balneário Camboriú e 6 em Camboriú. Os 15 casos importados (transmissão fora do estado) residem nos municípios de Biguaçu, Blumenau, Canoinhas, Florianópolis, Itajaí, Joinville e São José.

No mesmo período, foram notificados 370 casos de febre de chikungunya em Santa Catarina contra 376 casos em 2017, uma redução de 2%. Foram 16 confirmados , 16 suspeitos que continuam em investigação e 298 descartados.

Dentro dos 16 confirmados, 12 são importados e quatro autóctones (Cunha Porã [2], Itajaí e São Miguel do Oeste).

Por fim, na comparação com o mesmo período de 2017, quando foram notificados 89 casos, houve uma redução de 7% na notificação de casos de zika vírus em 2018 (83 notificações) em Santa Catarina. Porém, 71 foram descartados, cinco permanecem como suspeitos e seis foram inconclusivos. O único caso confirmado é importado, com residência no município de Piratuba, e tem o estado do Mato Grosso como local provável de infecção.

Números no Estado 2018

60 casos de dengue confirmados 

- 76 cidades consideradas infestadas 

- 16 casos confirmados de chikungunya

- um caso confirmado de zika vírus

Como evitar a proliferação do mosquito

- Eliminar locais que possam acumular água

- para quem aluga algum imóvel, manter os terrenos limpos e entre um aluguel e outro fazer uma varredura em locais que possam ter água parada

- os imóveis de ocupação sazonal devem estar sempre limpos, com tampas de vasos sanitários, ralos de banheiros e tanques e mangueiras de máquinas de lavar fechados

- manter caixas d’água, tonéis, barris e outros reservatórios de água fechados

- colocar areia em vasos de planta ou cacos de vidro

- retirar água de lajes e calhas

- armazenar e descartar o lixo de forma adequada.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade