Publicidade
Terça-Feira, 13 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 22º C

Carro de família morta em chacina é encontrado em Florianópolis

Veículo estava estacionado em uma rua do bairro Ponta das Canas e agora será periciado

Redação ND
Florianópolis
07/07/2018 às 15H03

Por meio de investigações, a Polícia Militar de Florianópolis encontrou na manhã deste sábado (7) o Ford Focus pertencente à família que foi vítima de chacina na noite de quinta-feira (5) em Canasvieiras. De acordo com a polícia, o carro estava estacionado em uma rua do bairro Cachoeira do Bom Jesus.

Carro da família foi encontrado em uma rua de Ponta das Canas - Polícia Civil/Divulgação/ND
Carro da família foi encontrado em uma rua de Ponta das Canas - Polícia Civil/Divulgação/ND



Conforme a polícia, o carro teria sido utilizado pelos criminosos para fuga após o crime e agora será periciado. Ele foi encaminhado para a 7ª Delegacia de Polícia da Capital. Outro veículo também havia sido levado pelos assassinos, mas foi encontrado ainda nesta sexta-feira (6).

A chacina que vitimou cinco pessoas aconteceu dentro do hotel Venice Beach, no Norte da Ilha. Morreram no local Paulo Gaspar Lemos (78), os filhos Katya Gaspar Lemos (50), Leandro Gaspar Lemos (44) e Paulo Gaspar Lemos, e ainda o gerente de negócios da família, Ricardo Lora (39).

Uma sobrevivente, funcionária do hotel, contou que três homens invadiram o estabelecimento por volta das 16h de quinta-feira, permanecendo no local até por volta de meia-noite.

Dentro do hotel, foi encontrada na parede a sigla da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), indicando que o motivo da chacina teria sido um acerto de contas. Os criminosos também chegaram a espalhar gasolina onde foram encontrados os corpos.

A polícia segue duas vertentes de investigação: uma de acerto de contas, por causa da sigla na parede, e outra de que os autores teriam feito a inscrição numa tentativa de tirar o foco da autoria do crime. Até a manhã deste sábado, os autores ainda não haviam sido localizados.

O IML (Instituto Médico Legal) confirmou que todas as vítimas foram mortas por asfixia. O corpo do gerente Ricardo Lora já foi liberado para seputalmento. Já os corpos dos quatro integrantes da mesma família permancem no IML aguardando a chegada de uma sobrinha de Paulo Gaspar Lemos, que mora no exterior. 

Publicidade

1 Comentário

Publicidade
Publicidade