Publicidade
Sexta-Feira, 21 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 25º C
  • 17º C

Biguaçu se destaca na criação de frangos. São 1,5 milhão vendidos por ano

Município tem 15 aviários e movimenta aproximadamente R$ 750 mil por ano

Mariella Caldas
Biguaçu
Marcelo Bittencourt

As propriedades rurais do interior de Biguaçu são conhecidas pelo cultivo dos hortifrutigranjeiros, do arroz e do mel. Mas há alguns anos, outro segmento está ganhando adeptos, ampliando a renda e fortalecendo a economia da região: a avicultura. Em cinco localidades, estão construídos 15 aviários, divididos entre diversos produtores.

Aproximadamente 1,5 milhão de aves são vendidas por ano e rendem aos produtores quase R$ 750 mil. No último ano, o município ganhou mais dois aviários e ampliou a capacidade para cerca de 50 mil frangos por ciclo (a cada dois meses). Alguns moradores da zona rural viram na criação uma alternativa de renda. Outros preferiram deixaram seus antigos afazeres e passaram a trabalhar na avicultura.

A empresa palhocense Frangos Morgana é quem orienta, fornece os filhotes, alimentação, oferece assistência veterinária, informa e compra os animais já adultos. Em cada unidade, são pagos de R$ 0,40 a R$ 0,55, dependendo do peso do animal. Em troca, os produtores, fornecem a mão de obra e a estrutura do aviário, que precisa ser completamente automatizado.

Conforme o secretário de Agricultura de Biguaçu, Élson Silva, além dos equipamentos, os aviários precisam obedecer as normas sanitárias, como a colocação de telas aos redores do terreno e sistema de limpeza dos caminhões para evitar e entrada de outros animais e a transmissão de doenças. O nome dos visitantes e o local que estiveram antes de entrar na granja também precisam ser anotados em um caderno.

Produtores querem crescer

Morador da Fazenda de Fora, Ernesto José Pinheiro, 49, sempre trabalhou com aviário. Ele foi um dos primeiros a firmar a parceria com a Frangos Morgana, há 18 anos. Sua granja tem capacidade para 12 mil unidades, mas ele já tem a ideia de construir outra onde caberão mais 18 mil frangos.

Ao lado do antigo, o novo aviário será construído e, para isso, será necessário um investimento de R$ 200 mil, que será financiado. Pinheiro comenta que apesar da ampliação vai continuar dando conta do trabalho sozinho. “Antigamente era mais difícil. O abastecimento da comida,  água e limpeza eram feitos de forma manual. Agora, é tudo automático”, ressalta.

Há quatro meses, o novo aviário de Daltro Lopes, 39, produtor em Cachoeiras há seis anos, começou a funcionar. O investimento de R$ 330 mil foi financiado, mas com o espaço somado ao antigo galpão, ele consegue criar ao mesmo tempo até 35 mil frangos por ciclo.

O crescimento do frango demora aproximadamente 45 dias, depois de alcançar os 2,5 quilos. “Durante 15 dias o aviário não pode receber mais animais. É necessário um período para a desinfecção do espaço”, explica. Por ano, Lopes consegue cerca de R$ 40 mil com o comércio.

Mais garantias

Diferente do agricultor, o avicultor tem garantias que seu produto será comercializado. Conforme Élson Silva, secretário de Agricultura, faça chuva ou sol os frangos crescem e são comercializados no fim do período. A taxa de mortalidade dos animais é baixa, podendo chegar a 3%, o que incentiva ainda mais o cultivo.

Produtor de grama de Alto Biguaçu, Eriberto João da Silva, 49, afirma que construiu o aviário em busca de uma renda extra. Com 150 metros de comprimento e 14 metros de largura, o local comporta até 30 mil aves. “Estou no segundo lote e o lucro está sendo melhor que o negócio anterior”, explica.

No espaço do aviário, Silva plantaria três mil metros de grama, que renderia aproximadamente R$ 18 mil por ano, valor arrecadado em dois ciclos da avicultura. Apesar de o investimento para o galpão, R$ 450 mil, Silva não deixará o plantio da grama.

As informações colhidas sobre os aviários foram fornecidas pelos produtores e Prefeitura de Biguaçu. Os representantes da empresa Frangos Morgana preferiram não dar entrevista ou informações à reportagem do Jornal Notícias do Dia.

Antônio Carlos segue mesmo caminho

Em dois anos, o município de Antônio Carlos triplicou a quantidade de aviários. Conforme o secretário de Agricultura e Meio Ambiente, Sebastião Petry, há 14 galpões e oito produtores que possuem parceria com a empresa americana Tyson Foods, que adquiriu as catarinenses Macedo e Avita. Por ano, quase 300 mil unidades de frango são criadas por ano. “Queremos chegar aos 30 aviários”, prospecta Petry.

BOX

Produção

Biguaçu

-Tem 15 aviários

-Cultiva 1,5 milhão de frangos por ano

-Movimenta R$ 750 mil todo ano

-Aviários têm parceria com a empresa Frangos Morgana

Antônio Carlos

-Possui 14 aviários

-Comercializa cerca de 300 mil unidades por ano

-Produtores têm parceria com a americana Tyson Foods

-O frango é vendido entre R$ 0,40 a R$ 0,50 por ciclo

-Cada ciclo possui 60 dias, sendo 45 dias para o crescimento do animal e 15 dias para desinfecção do aviário

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade