Publicidade
Domingo, 18 de Novembro de 2018
Descrição do tempo
  • 28º C
  • 21º C

Avenida Beira-Mar Continental, em Florianópolis, poderá ser urbanizada

Ampliação de uso da área foi solicitada por moradores e prefeitura à Secretaria do Patrimônio da União. Objetivo é instalar equipamentos esportivos e construir uma creche

Alessandra Oliveira
Florianópolis
Rosane Lima/ND
Calçadão e ciclovia são as únicas opções de lazer na Beira-Mar Continental


A Beira-Mar Continental (avenida Poeta Zininho) poderá receber uma área de lazer, caso a SPU (Secretaria do Patrimônio da União) aceite o projeto apresentado pela Arceb (Associação Recreativa Cultural de Esportes do Balneário), que pede a instalação de equipamentos esportivos. A Prefeitura de Florianópolis pretende ainda construir uma creche, próximo à Ponta do Leal.

Desde a inauguração da avenida, no dia 22 de março de 2012, as calçadas têm sido utilizadas para caminhadas e corridas. A frequência de ciclistas também é expressiva na ciclovia. No entanto, o espaço poderia ser melhor utilizado, segundo o presidente da Arceb, Jette Gainete Filho. Para ampliar o uso da Beira-Mar, Jette se reuniu com o prefeito Cesar Souza Júnior, o secretário do Continente, Dejair de Oliveira Júnior, e a superintendente da SPU/SC, Sílvia De Luca.

No encontro, foi apresentado um projeto inicial para uso de uma área de mais de 19 mil m², onde seria implantada uma praça de esportes, com campo de futebol e pista de skate. “Nessa primeira reunião solicitamos à SPU a ampliação do uso do espaço pelo município. Fizemos isso porque o pedido inicial era somente para edificação de sistema viário”, disse o secretário do Continente.

Segundo Dejair, sem a cessão pela SPU nada pode ser edificado ao longo da avenida. A intenção da secretaria é urbanizar a Beira-Mar Continental. 

A Secretaria de Educação da Capital solicitou um espaço de 5.000 m² para a construção de uma creche, para atender crianças da Ponta do Leal. “Precisamos garantir a cessão de uso. Depois apresentaremos os projetos e buscaremos recursos para executá-los”, afirmou Dejair.  

Após apresentar a ideia inicial à SPU, o presidente da Arceb saiu esperançoso da reunião.  “A superintendente pediu que fizéssemos alguns ajustes no pré-projeto. Acredito que o local será liberado para que possamos atender melhor as 180 crianças e adolescentes com idade entre 7 e 17 anos, acolhidas por nossos projetos sociais e esportivos”, afirmou.

   

 

 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade