Publicidade
Domingo, 23 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Autoridades da Colômbia reforçam hipótese de pane seca em queda de avião da Chape

Constatação veio depois que os investigadores verificaram que entre os destroços do avião não havia combustível

Folha de São Paulo
Medellín (COL)
01/12/2016 às 01H03

GUSTAVO FRANCESCHINI

MEDELLÍN, COLÔMBIA (UOL/FOLHAPRESS) - As autoridades colombianas confirmaram nessa quarta-feira (30) que o avião da delegação da Chapecoense voava com menos combustível do que mínimo exigido pela lei. E que isso deve ter causado uma pane seca e levado a aeronave a cair, matando 71 pessoas e ferindo outras seis.

A constatação veio depois que os investigadores verificaram que entre os destroços do avião não havia combustível. Ela foi apoiada pela informação de que o primeiro sinal de perigo dado pela tripulação aos controladores foi um alerta de falta de combustível.

Avião com delegação da Chapecoense caiu na madrugada de terça-feira (29) - BG. José G. Acevedo/ @PoliciaMedellin
Avião com delegação da Chapecoense caiu na madrugada de terça-feira (29) - BG. José G. Acevedo/ @PoliciaMedellin


"Uma das hipóteses que trabalhamos é que [o avião] não contava com combustível e que, por isso, tenha apagado subitamente os motores. Motores são a fonte elétrica. Você pode ter uma turbina adicional mas, se não tinha combustível, vai ter uma pane elétrica", afirmou Fredy Bonilla, secretário de Segurança Aérea da Aeronáutica Civil da Colômbia, órgão com funções semelhantes às da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), que regula voos no Brasil.

>> Áudio mostra piloto pedindo para pousar por 'falha elétrica total e de combustível'
>> Chapecoense espera 100 mil pessoas para velório coletivo na Arena Condá
>> Luzes se apagaram repentinamente, diz sobrevivente de acidente

"As normas internacionais exigem que qualquer aeronave deve viajar com combustível suficiente para chegar ao aeroporto de destino, mais 30 minutos e ainda mais cinco minutos ou 5% da distância, que é o combustível reserva. Neste caso, lamentavelmente, a aeronave não contava com combustível suficiente. Vamos investigar para saber por que a tripulação não contava com combustível suficiente", acrescentou.

Bonilla também relatou a sequência de acontecimentos que levaram à queda da aeronave da Chapecoense. Ao se aproximar do aeroporto de Medellín, havia outros dois voos com preferência de aterrissagem, um deles um de carreira da empresa VivaColombia, que tinha declarado emergência por um vazamento de combustível.

O piloto da Lamia disse não ter problema algum e deu meia volta para esperar sua vez. Em cima da hora, então, ele avisou a torre de controle que está com pouco combustível, declara emergência, pane elétrica e cai. Bonilla afirmou que o aeroporto ainda tentou contornar a situação, passando o avião à frente na fila de preferência, mas já era tarde.

Regulamentos de tráfego aéreo da Bolívia

Trata-se da confirmação de uma informação já passada pela autoridade aeronáutica da Bolívia, país de operação da Lamia, empresa dona e controladora da aeronave que caiu. O voo trágico saiu de Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, e tinha destino ao aeroporto internacional de Mérida, mas caiu em uma região montanhosa de seus arredores.

Para cumprir os regulamentos de tráfego aéreo da Bolívia, a aeronave deveria ter combustível nos tanques para voar, no mínimo, por mais uma hora. A regulamentação de aviação civil boliviana prevê que, além do combustível necessário para fazer a rota prevista, aviões a jato tenham uma reserva da mais 5% --no Brasil, são 10%-- do tempo total de viagem, o necessário para chegar a um aeroporto de alternativa e o suficiente para outros 30 minutos de voo.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade