Publicidade
Sábado, 22 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Aos 84 anos, morre maestro Nélio Muniz, ‘alma e coração’ da Sociedade União Tijuquense

Trompetista morreu na manhã desta sexta-feira, em hospital em Balneário Camboriú

Redação ND
Florianópolis
30/03/2018 às 16H33

Morreu na manhã desta sexta-feira (30), aos 84 anos, o maestro Nélio Cicero Muniz, ‘alma e coração’ da Sociedade Musical União Tijuquense. Ele estava internado no Hospital da Unimed em Balneário Camboriú. A causa da morte não foi divulgada.

Nélio comandou por anos a Sociedade Musical União Tijuquense - Marcos Horostecki/Arquivo/ND
Nélio comandou por anos a Sociedade Musical União Tijuquense - Marcos Horostecki/Arquivo/ND


“Cidadão ímpar, apaixonado por Tijucas e pela música, senhor Nélio se dedicou por vários anos à nossa querida banda musical e, assim, manteve viva em nossa cidade esta belíssima tradição. O município reconhece sua importância e agradece pela rica contribuição dada à nossa história e à cultura tijuquense”, disse a prefeitura de Tijucas em nota de pesar.

O velório ocorre na tarde desta sexta-feira na sede da Sociedade Musical União Tijuquense, e o sepultamento está marcado para as 17h.

“Seus ensinamentos foram além dos ensinamentos musicais. Cada pessoa que passou pela banda e conviveu com senhor Nélio, leva para sua vida lições de respeito, compromisso, amizade! Formamos uma grande família e somos muito gratos ao senhor Nélio por sua dedicação e espírito enérgico com o qual conduziu a banda por tantos anos”, lamentou a Sociedade Musical União Tijuquense, em nota.

História de amor começou nos anos 1980

Em novembro de 2011, o ND fez um perfil sobre Nélio Muniz. Maranhense da cidade de Viana, ele deixou o estado natal para servir como fuzileiro naval no Rio de Janeiro, há mais de 60 anos. Na época, ele pensava em tocar saxofone, mas sua mãe, receosa de que o instrumento lhe rendesse uma vida curta, já que até então era comum os artistas morrerem de doenças como a tuberculose, insistiu para que ele escolhesse o trompete.

De criação rígida, do tempo em que os filhos atendiam os mandos dos pais, como ele mesmo disse, Nélio aceitou. Surgia então a paixão pelo instrumento, que logo o levaria a Florianópolis e para a Banda da Polícia Militar do Estado.

Em Tijucas, a partir de 1984, o músico iniciou um novo caso de amor. Por muitas vezes foi chamado para reerguer a Sociedade Musical União Tijuquense, uma das mais tradicionais bandas de música beneficentes de Santa Catarina.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade