Publicidade
Terça-Feira, 25 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 26º C
  • 18º C

A história do Papai Noel de Florianópolis que nasceu no dia 25 de dezembro

Há dez anos Rubens Soares se dedica, durante o período de Natal, a ouvir e aconselhar as crianças

Matheus Joffre
Florianópolis
18/12/2016 às 19H38

No último domingo antes do Natal, muitos pais levaram seus filhos para fazerem aquele pedido especial ao Papai Noel no Beiramar Shopping, em Florianópolis. Durante todo dia, o Bom Velhinho atendeu a centenas de crianças em sua poltrona no vão central. Ouviu pedidos, deu conselhos e distribuiu balas. Sempre com o sorriso no rosto de quem realmente nasceu para ser Papai Noel.

Nascido no dia 25 de dezembro de 1942, Rubens Alceu Soares vive o Bom Velhinho há dez anos. Está sempre trabalhando no dia do aniversário, mas tem paixão pelo que faz. Antes das promessas de presente, ele sempre procura perguntar como foi o ano letivo das crianças. “As crianças vêm aqui na esperança de ganhar presentes. Pedem de tudo, videogames, bicicleta, Lego. Esse ano também tem os brinquedos da moda: Pokémon, Patrulha Canina e Baby Alive. Mas eu sempre pergunto como elas se comportaram durante o ano e como foram na escola”, explicou.

Julio César dos Santos, 8, teve boas notas e foi para o terceiro ano no colégio, mas o “mais ou menos” no quesito comportamento fez o Papai Noel responder ao pedido dele por um Xbox 360 com um “talvez”. “Vou ficar torcendo para ganhar. Mas ano que vem vou me comportar melhor”, prometeu. “Todo ano eu trago ele para ver o Papai Noel em um shopping diferente. Já é uma tradição nossa. Este ano, ele se comportou mais ou menos, então ainda estamos vendo se ele vai ganhar o videogame de Natal”, contou a mãe Michelle Pucci, 28, que também fez seu pedido ao Bom Velhinho. “Um novo amor!”.

Julio Cesar prometeu se comportar melhor em 2017 para ganhar o videogame - Flávio Tin/ND
Julio Cesar prometeu se comportar melhor em 2017 para ganhar o videogame - Flávio Tin/ND


A pequena Helena Luiza Valle, 4, veio de Brusque para passar o fim de semana na casa da tia e também aproveitou para ir ver o Papai Noel e pedir o presente de Natal: um carrinho de controle remoto. “No ano passado, ela ficou com medo e fugiu na hora que chegou a vez dela na fila. Agora está mais corajosa. Ela mesma escreveu a cartinha para o Papai Noel”, revelou a mãe Erli Valle, 43. 

Publicidade

0 Comentários

Publicidade
Publicidade