Publicidade
Domingo, 23 de Setembro de 2018
Descrição do tempo
  • 27º C
  • 18º C

Márcio Goiano muda esquema tático em busca de recuperação

Figueirense é o 19ª, com 22 pontos, e precisa de sete vitórias para permanecer na primeira divisão

Marcone Tavella
Florianópolis

Por 22 semanas neste ano que caminha para o fim, os jogadores do Figueirense têm vindo ao Centro de Formação e Treinamento do Cambirela, em Palhoça. Mais de cem trabalhos físicos, técnicos e táticos depois do início da preparação para a Série A, em meados de maio, e eles ainda mantém a rotina que não consegue tirá-los da zona de rebaixamento.

 

Daniel Queiroz/ND
márcio goiano técnico figueirense
Márcio Goiano deve apostar no 4-5-1 na próxima rodada

 

São 19 rodadas seguidas na ponta de baixo da tabela e parece não importar quantos cruzamentos façam, quantas finalizações acertem na rede ou triangulações perfeitas sejam ensaiadas naquele Campo 1. A Série B é cada vez mais uma realidade.

Atestada pela 19º na classificação e apenas 22 pontos somados em cinco vitórias, sete empates e quinze derrotas. Um aproveitamento de 27,2 %.

Quarto técnico no ano, ontem Márcio Goiano mais observou do que falou. A tradicional conversa antes do início dos trabalhos não superou dois minutos. Só se ouvia os gritos do auxiliar Abel Ribeiro, que comandava o coletivo com o time titular em um 4-5-1 novo para estes últimos cinco meses, mas formado pelas mesmas peças que têm tropeçado rodada após rodada.

Atento, na lateral do campo, Goiano só olha. Parece pensar “o que mais posso fazer aqui para, enfim, dar resultado?”. Amanhã, às 18h30, diante do vice-líder Atlético-MG, vai ser dada mais uma chance ao zagueiro Sandro e aos meias Almir e Guilherme Lazaroni. João Paulo retorna após ter cumprido suspensão e Edson Henrique e Botti, titulares no último jogo, terão que aguardar nova oportunidade.

Para quem ainda acredita em um milagre, tem de ler o que Almir diz. “Enquanto houver chance a gente tem que lutar. A gente vê a entrega do time, o Márcio e a diretoria passam muita confiança. Sabemos que o torcedor está machucado, mas o que precisamos agora é de união”.


Meia Almir quer pagar dívida no Figueirense
Depois de 15 rodadas, Almir volta a ser titular no Figueirense. Sua chegada despertou otimismo de dirigentes e torcedores, mas em 11 atuações neste Brasileiro, o meia não conseguiu ter o nome gritado no Orlando Scarpelli. Lesões e a falta de preparo físico impossibilitaram uma sequência ideal de jogos, e ele sabe que está devendo ao torcedor Alvinegro.

“Infelizmente eu tive uma lesão logo no segundo jogo. Eu sinto que joguei pouco. Sempre tentava voltar e machucava. Mas ainda falta. Eu sinto que posso ajudar mais”, explica ele, que acredita que pode saldar a dívida neste restante de Série A. “Felizmente ainda temos chances (de permanência). São onze jogos e vou me dedicar a ajudar o Figueirense como ajudei Botafogo e o Bangu”, lembrou-se dos clubes em que atuou.

Contra o Atlético-MG, Almir deve susbstituir Botti e apoiar o ataque pela direita, de preferência. “Vamos aproximar do Aloisio, até porque ele vai ficar como único atacante. É uma função de aproximação no ataque e tentar partir para o gol”, esclareceu ele, que deve dividir a armação com Guilherme Lazaroni.

Publicidade

0 Comentários

Publicidade

Escolha seu time

  • Chapecoense
  • Criciúma
  • Figueirense
  • JEC
  • Avaí
Publicidade